Calor físico também aquece personalidade, diz estudo

Cientistas não tinham idéias de que conceitos físicos e psicológicos poderiam estar tão próximos na mente

AP

23 de outubro de 2008 | 17h35

É hora de atualizar o velho ditado "mãos frias, coração quente." Uma nova pesquisa nos Estados Unidos mostra que encostar em algo quente pode fazer com que você se sinta e aja mais amigavelmente com as pessoas.  Ser visto como alguém que tem uma personalidade "quente" ou "fria" provoca uma poderosa primeira impressão. Então, cientistas da Universidade de Yale começaram a se perguntar se o calor físico poderia provocar o "calor" psicológico, inconscientemente levando as pessoas a pensar melhor dos outros. Foi preciso um estudo bem planejado para descobrir: cientistas recrutaram 41 universitários para o que eles pensavam que era uma pesquisa de personalidade. Um funcionário acompanhava cada participante no caminho até o laboratório e casualmente pedia ajuda para que segurasse uma xícara de café - quente ou gelado - enquanto escrevia o nome do aluno em uma prancheta.  Dentro do laboratório, os estudantes recebiam uma descrição de uma pessoa ficcional descrita como zelosa, prudente e determinada e então deram notas para os supostos traços de personalidade.  Estudantes que seguraram a xícara quente viram a pessoa como mais generosa, sociável e de boa índole que aqueles que seguraram a xícara fria - todos esses traços de personalidade são considerados parte de uma personalidade "quente", disseram os pesquisadores no trabalho publicado na revista Science. Além disso, não houve diferenças entre as notas que os dois grupos deram para outras características como honestidade e força, não associadas com traços quentes ou frios de personalidade.  Então, os pesquisadores recrutaram 53 diferentes estudantes para um segundo estudo, fazendo com que segurassem bolsas quentes ou frias para a dor, vendias em farmácias, supostamente para um teste de produto. Na realidade, o teste era o brinde pela participação: um cupom de sorvete ou uma bebida para si ou para um amigo.  Estudantes que seguraram a bolsa quente mais freqüentemente escolheram o brinde para um amigo, enquanto aqueles que seguraram a fria escolheram para si mesmos.  Então, a moral da história é distribuir bebidas quentes quando quiser causar uma boa primeira impressão? Não exatamente. A mensagem maior é que mensagens muito sutis do nosso ambiente podem influenciar nossos comportamentos e sentimentos, disse Lawrence Williams, que liderou o estudo.  Conceitos físicos e psicológicos "estão muito mais próximos na mente que nós imaginávamos anteriormente", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
ciênciacomportamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.