Camboja cria parque no antigo reduto do Khmer Vermelho

A Floresta Protegida dos Cardamomos Centrais, criada nesta semana pelo primeiro ministro Hun Sen, acaba de colocar o Camboja no mapa mundi conservacionista. Com seus 402 mil hectares somados a dois santuários de vida silvestre contíguos, a nova unidade de conservação integra a maior área de floresta protegida do Sudoeste Asiático, com um total de 990 mil hectares. Ali vivem grandes mamíferos cambojanos e metade das espécies de aves, répteis e anfíbios do país, com alta taxa de endemismos ou ocorrência de espécies que não existem em nenhum outro lugar do mundo.A proteção das Montanhas Cardamomo é alta prioridade para os conservacionistas, porque suas florestas ainda abrigam animais raros ou criticamente ameaçados de extinção, como o tigre indochinês, o urso da Malásia, populações selvagens de elefante asiático e o crocodilo siamês. As mesmas matas também abrigaram, até 1998, os últimos membros do Khmer Vermelho, guerrilha de esquerda responsável por conflitos extremamente sangrentos nos anos 70.Além da fauna, a proteção das florestas nas montanhas ainda deve beneficiar a população dos vales, ajudando a evitar enchentes. Boa parte dos grandes rios nacionais nasce naquelas montanhas e os desmatamentos das encostas vinham agravando as enchentes nas terras baixas.Os recursos para a proteção da floresta cambojana provem do Fundo Global de Conservação (GCF), criado pela organização não-governamental Conservation International (CI); da Fundação das Nações Unidas e da Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (Usaid), com apoio também do Programa das Nações Unidas sobre Desenvolvimento (PNUD) e do Fundo Ambiental Global (GEF).Especialistas da CI vêm treinando recursos humanos locais para fazer o manejo, fiscalização e manutenção da floresta protegida, desde janeiro de 2001, quando a entidade conservacionista assinou um acordo com o governo cambojano, para substituir os planos de exploração madeireira pela criação de unidades de conservação. A intenção da CI, segundo nota distribuída à imprensa, é continuar subsidiando a proteção de outras áreas no Camboja, até formar um corredor de biodiversidade, que conecte as Montanhas Cardamomo com a zona costeira, de modo a assegurar as rotas de migração sazonal dos elefantes.O Camboja é parte do hotspot de biodiversidade Indo-Burma, uma das 25 áreas definidas pela CI como prioritárias para ações urgentes de conservação, por conterem alta biodiversidade e já terem sido alteradas em mais de 75% de sua área original.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.