Cambridge anuncia aposentadoria de Stephen Hawking

A política da universidade requer que os detentores de cargos se aposentes aos 67 anos

24 de outubro de 2008 | 13h32

O cosmologista Stephen Hawking anunciou que vai se aposentar de sua cátedra na universidade Cambridge no ano que vem, mas que prosseguirá em suas explorações do tempo e do espaço. Hawking, de 66 anos, é o Professor Lucasiano de Matemática, título que já coube a Isaac Newton. A universidade informou que ele deixará o posto no final do ano letivo, em setembro, mas que continuará como Professor Lucasiano Emérito.   "Esperamos que ele continue com seu trabalho acadêmico do Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica, desempenhando um papel fundamental na pesquisa de cosmologia e gravitação", disse o chefe do departamento, Peter Haynes.   Hawking tornou-se uma celebridade científica graças a seu trabalho teórico sobre buracos negros e a natureza do tempo, a despeito de sofrer de graves deficiências físicas, provocadas por uma doença neurológica.    A política da universidade requer que os detentores de cargos se aposentes aos 67 anos. Hawking atingira esta idade em 8 de janeiro.   A cátedra lucasiana foi fundada em 1663 por Henry Lucas, que deixou uma herança de 4.000 livros e terras que, ele esperava, gerariam uma renda anual de 100 libras para a universidade. O rei Charles II estabeleceu a posição oficialmente em  1664.   Isaac Newton foi o segundo detentor do posto. Paul Dirac, um dos fundadores da mecânica quântica, exerceu a função de 1932 a 1969. Hawking foi nomeado para a cátedra em 1979.   Seu livro de 1988, Uma Breve História do Tempo, foi best-seller internacional. Mais recentemente, foi co-autor, com a filha Lucy, do livro infantil George e o Segredo do Universo.   O cientista ganhou proeminência ao prever que buracos negros podem evaporar, eliminando energia sob a forma de radiação. Hoje em dia essa radiação, que ainda não foi confirmada experimentalmente, é conhecida como "radiação de Hawking".

Tudo o que sabemos sobre:
hawkingcambridgeburacos negros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.