Campanha diz que islã não justifica casamento forçado

Essa mensagem é transmitida pelas Organizações Islâmicas de Rijnmond (SPIOR), da Holanda

Efe

22 de maio de 2008 | 15h29

Os casamentos forçados não são justificados pelo islamismo e pode-se dizer "não" a estas práticas culturais que foram silenciadas no entorno familiar e as quais muito poucos jovens se opõem devido às pressões de parentes. Essa é a mensagem transmitida por uma campanha da Plataforma de Organizações Islâmicas de Rijnmond (SPIOR), da Holanda, dirigida aos muçulmanos que vivem na Europa.   "A pressão é tão forte que os jovens envolvidos nesses casamentos forçados pensam que deve ser assim, não falam com ninguém e não se negam a isso", explicou hoje o professor de estudos islâmicos Tariq Ramadan, um dos responsáveis pela divulgação da campanha na Espanha.   "Muitos jovens achavam que não era uma opção e não sabem que têm o direito a dizer não", disse Marianne Vorthoren, líder da SPIOR, que destacou que não há dados globais do número de pessoas afetadas por estas práticas culturais, "porque acontecem dentro do marco familiar".   A campanha, já apresentada na Holanda e na Bélgica, pretende gerar "uma voz forte" na União Européia (UE), cujos países já são os de origem para muitos muçulmanos, para ser ouvida também "nas nações de maioria muçulmana", segundo Ramadan.   A iniciativa busca a participação de todos os agentes sociais na possível erradicação de um problema "não através do alarmismo e da estigmatização de uma comunidade", mas mediante soluções e práticas preventivas, disse a diretora da Casa Árabe (Espanha), Gema Martín.

Tudo o que sabemos sobre:
Holandaislamismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.