Canadá ratifica o Protocolo de Kyoto

O primeiro-ministro do Canadá, JeanChretien, ratificou nesta segunda-feira o Protocolo deKyoto, protegendo seu legado ambiental e possivelmente mudandopara sempre a forma como os canadenses utilizam a energia. A ratificação formal ocorre após meses de um acirrado debateque dividiu o país. A ratificação canadense é um grande impulsoao tratado de 1997, pelo qual os participantes comprometem-se areduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa, quecontribui para o aquecimento global. O Parlamento aprovou a ratificação na semana passada. OPartido Liberal, de Chretien, venceu facilmente gruposoposicionistas em favor dos grupos empresariais. Para entrar em vigor, o Protocolo de Kyoto deve ser ratificadopor pelos menos 55 países, inclusive os responsáveis por 55% dasemissões de poluentes em 1990. Mais de 80 países já ratificaram o tratado ambiental. Arejeição do acordo pelos Estados Unidos, responsáveis por 25%das emissões humanas de dióxido de carbono, os coloca na posiçãode única nação industrializada que ainda não aderiu aoprotocolo. A Rússia já indicou que também ratificará o documento, fatoque possibilitará sua entrada em vigor. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, alega que oProtocolo de Kyoto causará prejuízos de US$ 400 bilhões àeconomia norte-americana e custará 4,9 milhões de empregos. Bushapresentou um plano de incentivos voluntários às indústrias paraque reduzam suas emissões, mas a proposta é duramente criticadapor grupos ambientalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.