<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Canadenses caminham para internet 100 vezes mais rápida

Pesquisadores canadenses deram um passo importante para desenvolver um sistema de transmissão de dados ultra-rápido, ou uma internet 100 vezes mais rápida do que a baseada em banda larga. Primeiro, criaram um material híbrido em escala nanométrica capaz de agir sobre dados transportados em fibra ótica; agora conseguiram fazer com que este material, num feixe de laser, aja sobre outro feixe de laser, direcionando-o.O trabalho mostra que futuros sistemas de fibra ótica poderão carregar sinais sem necessidade de conversões em sinais eletrônicos, com tempos de resposta na escala do picossegundo (um trilionésimo de segundo). ?Com a criação de um material híbrido que pode controlar o poder do feixe de luz, demonstramos uma nova classe de materiais que se adequa às necessidades de futuras redes fotônicas?, afirma Ted Sargent em comunicado da Universidade de Toronto.O controle de um feixe de luz por outro era algo postulado pelos cientistas, mas nunca antes comprovado. Segundo estudo publicado na revista Nano Letters, Sargent e Qiying Chen demonstraram esta capacidade. ?Com nosso trabalho, a capacidade de processar sinais que contenham informação por meio da luz se tornou algo prático?, disse Sargent.Lacuna quânticaO uso de novas partículas de luz tornou-se uma necessidade quando os cientistas constataram que os materiais moleculares conhecidos não conseguiam este controle. Segundo a Agência Fapesp, a falha ficou conhecida como a ?lacuna quântica de Kuzyk?, em referência ao físico Mark Kuzyk, da Universidade de Washington, que foi o primeiro a prever, em 2000, os limites da física fundamental em propriedades não lineares de materiais moleculares.Foi então que outros canadenses, Wayne Wang e Connie Kuang, da Universidade de Carleton, desenvolveram um material que combina partículas esféricas em escala nanométrica com um polímero também desenvolvido em laboratório. Sargent e Chen estudaram estas partículas óticas do material híbrido e confirmaram sua capacidade de agir sobre dados transportados em faixa infravermelha, geralmente usada em cabos de fibra ótica.?A conquista por terem atingido o limite quântico, resultado das pesquisas feitas nas universidades de Toronto e Carleton, representa um grande avanço na ciência de materiais óticos não lineares que terá um impacto direto em importantes tecnologias?, comentou o físico Mark Kuzyk.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2004 | 12h56

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 9,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
1, 90
/ mês
No primeiro mês
R$ 19,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
22, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.