Divulgação/ESO
Divulgação/ESO

Captada pela primeira vez a luz de um planeta distante

Os pesquisadores encontraram o espectro de um planeta gigante que orbita a estrela HR 8799

estadao.com.br,

13 Janeiro 2010 | 14h41

Astrônomos anunciam ter obtido, pela primeira vez, o espectro direto - a "impressão digital química" - de um planeta em órbita de uma estrela distante, anuncia o website do Observatório Europeu Meridional (ESO). Esse feito que poderá ajudar a compreender a formação e a composição desse mundo.

 

Descoberta de planeta habitável é iminente, dizem astrônomos

Cerca de 15% dos sistemas solares são como o da Terra

Moléculas orgânicas descobertas em mais um planeta distante

 

"O espectro de um planeta é como uma impressão digital. Oferece informações essenciais sobre os elementos químicos na atmosfera", explica, em nota, Markus Janson, principal autor do artigo de descreve a descoberta. Segundo ele, o processo usado poderá, no futuro, ajudar a encontrar marcadores químicos da presença de vida em outros planetas.

 

Os pesquisadores encontraram o espectro de um planeta gigante que orbita a estrela HR 8799, um sistema localizado a 130 anos-luz do Sol. A estrela tem 50% mais massa que a Terra, e abriga um sistema que parece uma versão em escala maior do nosso Sistema Solar, com três planetas gigantes.

 

"Nosso alvo era o planeta do meio, com cerca de dez vezes a massa de Júpiter e uma temperatura de cerca de 800 ºC", diz, também em nota,  Carolina Bergfors, membro da equipe de cientistas. "Depois de mais de cinco horas, conseguimos destrinchar o espectro do planeta da luz muito mais brilhante da estrela".

 

Esta é a primeira vez que o espectro de um planeta em órbita de uma estrela semelhante ao Sol é obtido diretamente. Anteriormente, os únicos espectros obtidos dependiam de aguardar o planeta passar na frente e atrás da estrela, e comparar os espectros estelares das duas situações. No entanto, esse método só pode ser aplicado se estrela e planeta estiverem num alinhamento preciso, o que só ocorre numa pequena fração dos sistemas conhecidos.

 

Janson compara o feito atual, obtido com um telescópio do ESO no Chile, a "ver do que uma vela é feita, observando-a a uma distância de 2 km, ao lado de uma lâmpada de 300 W". O espectro foi obtido principalmente graças a um instrumento que detecta radiação infravermelha.

 

A observação da luz emitida pelo planeta permite determinar sua composição química porque diferentes substâncias absorvem e emitem radiação em diferentes frequências. A análise dessas frequências possibilita determinar a composição do corpo.

Mais conteúdo sobre:
esoplanetaespectro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.