Caramujo é ameaça na Chapada dos Guimarães

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) alerta que o Parque Nacional de Chapada dos Guimarães corre risco de ser infestado por um caramujo africano,considerado uma praga agrícola. Ele já contaminou hortas caseiras. O perigo maior, no entanto, está concentrado na região do lixão de Chapada. Os caramujos tomaram conta do lugar e se afastaram cinco quilômetros em direção ao Parque. O lixão tem área de 17 hectares. A preocupação é que eles invadam a reserva à procura de comida. De acordo com o chefe do Núcleo de Fauna e Recursos Pesqueiros do Ibama, Jacob Ronaldo Kuffner, que já esteve no local colhendo exemplares da espécie, os caramujos são herbívoros. Eles se alimentam de leguminosas, pés de mandioca e feijão. Entretanto, explica Kuffner, se o animal chegar ao Parque, outras culturas serão atacadas. Isso porque, em falta do alimento natural, "vão comer o que encontrarem na natureza". O caramujo não provoca apenas impactos ambientais. Ele ainda carrega o vetor de doenças como a meningite e hepatite. A contaminação ocorre pelo muco do caramujo, que é liberado quando ele se movimenta. Nenhum caso de contaminação, no entanto, foi verificado na cidade. Os bichos chegaram à Chapada há quatro anos levados por um morador. Na idade adulta, a espécie chega a ter 20 centímetros e é considerada um falso escargot.

Agencia Estado,

24 de maio de 2004 | 01h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.