Cardeal diz que homossexuais 'não entrarão no reino dos céus'

Sacerdote mexicano diz que homossexualidade é 'um pecado', mas que não justifica as formas de discriminação

ANSA,

02 Dezembro 2009 | 16h16

O cardeal mexicano Javier Lozano Barragan afirmou nesta quarta-feira, 2, que homossexuais e transexuais "nunca entrarão no reino dos céus", mas lembrou que "não cabe a nós condenar" e que "de qualquer forma são pessoas e, enquanto tais, devem ser respeitadas".

 

Veja também:

linkIgreja critica os problemas de corrupção na América Latina

linkIgreja católica lança seu primeiro blog em Cuba

 

Em declarações à ANSA, o sacerdote ressaltou que não é sua a constatação de que os homossexuais serão privados do Paraíso, "mas de São Paulo". Barragan afirmou ainda que "não se nasce homossexual, mas se torna um".

 

"Por várias razões, por motivos de educação, por não ter desenvolvido a própria identidade na adolescência. Talvez não sejam culpados, mas, agindo contra a dignidade do corpo, certamente não entrarão no reino dos céus", reforçou o cardeal.

 

Ex-presidente do Pontifício Conselho para a Pastoral no Campo da Saúde, o sacerdote católico enfatizou também que "tudo aquilo que consiste em ir contra a natureza e contra a dignidade do corpo ofende Deus".

 

Para ratificar sua posição, Barragan citou uma passagem da Carta de São Paulo aos Romanos que fala de pessoas "impuras", abandonadas a "paixões infames", martírio daqueles que "desprezaram o conhecimento de Deus".

 

"A homossexualidade é, portanto, um pecado, mas isto não justifica nenhuma forma de discriminação. O julgamento cabe só a Deus. Sobre a terra nós não podemos condenar, e, como pessoas, temos todos os mesmos direitos", avaliou o sacerdote.

Mais conteúdo sobre:
homossexuais cardeal Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.