Carnaval alavanca reciclagem de alumínio

A animação no Carnaval não é só dos foliões. O setor de reciclagem de alumínio também tem muito o que comemorar. Com o aumento do consumo de bebidas durante este período, a reciclagem é alanvancada pelas milhares de famílias que têm nesse processo sua principal fonte de renda.Segundo a Associação Brasileira do Alumínio (Abal), cerca de 150 mil pessoas estão envolvidas no recolhimento de latas de alumínio, atividade que rende de um a três salários mínimos mensais. Esse valor costuma ser ultrapassado durante e verão e em eventos como o Carnaval. Dados da A/C Nielsen indicam que 32% da venda total de latas de alumínio ocorrem no primeiro trimestre. Esse volume corresponde a cerca de 3,5 milhões de latas, 45 mil toneladas de alumínio, das quais as latas de cerveja representam mais de 40%. Conforme a pesquisa, os maiores índices de consumo são do Rio de Janeiro, seguido pelo Nordeste.Campeão mundialO sucesso da reciclagem das latas de alumínio no Brasil é amplamente reconhecido, assim como as disputas entre catadores em eventos públicos e portas de casas de espetáculos. Hoje, o índice de reciclagem está na casa dos 85%, superando o Japão, antigo campeão, com 82,8%. Isso também é o reflexo do domínio desse tipo de embalagem do segmento bebida. Em 2002, dos 11 bilhões de latas para bebidas, 95% foram representadas por latas de alumínio. A maior recicladora do material é a Alcan Alumínio do Brasil, responsável pelo processamento de 52% do material recolhido.O programa de reciclagem de embalagens de alumínio é, ainda, um importante fator de aproveitamento eficiente de energia elétrica. Ele proporcionou, em 2001, em pleno racionamento, uma economia de 0,5% de toda a eletricidade produzida no País, segundo os cálculos do Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE).Naquele ano, 9 milhões de latas reaproveitadas proporcionaram 120 mil toneladas de alumínio. Isso ocorreu porque a transformação da bauxita em alumínio exige 17,6 megawatts-hora (MWh) por tonelada, enquanto na transformação das latinhas usadas na matéria-prima, o consumo cai para 0,8 MWh por tonelada. O alumínio é o único tipo de embalagem que pode ser reciclada infinitas vezes sem perda de qualidade, segundo a Abal. O ciclo da reciclagem da lata de alumínio é de cerca de 35 dias. Ou seja, a lata volta para a prateleira do supermercado, pouco mais de um mês após ter sido vendida da outra vez.

Agencia Estado,

01 de março de 2003 | 15h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.