Carvão vegetal terá certificação em São Paulo

O carvão vegetal produzido no Estado de São Paulo passará a contar, a partir da próxima terça-feira, com o Selo de Qualidade Produto de São Paulo. O lançamento é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento, com apoio do Sindicato do Comércio Varejista de Carvão Vegetal e Lenha do Estado de São Paulo (Sincal) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP). Com a certificação, o consumidor paulista poderá checar se o carvão, utilizado para preparar o churrasco do fim de semana, foi produzido sem mão-de-obra infantil, com madeira de reflorestamento e com teor de carbono fixo, que garante maior durabilidade e menos gases tóxicos.A certificação era um objetivo antigo do setor, marcado por um alto índice de clandestinidade e uma imagem associada a más condições de trabalho e destruição ambiental. ?Acreditamos que lançar um selo com a chancela do Governo confere maior legitimidade à iniciativa?, disse Arnaldo Pieralini, presidente do Sincal. Para receber a certificação, a empresa interessada deverá ser legalmente constituída e receber uma pré-qualificação, fornecida pelo Sindicato, através do Programa de Qualificação e Certificação da Industrialização de Carvão Vegetal (Pró-Carvão), e do Sebrae. Depois deverá ser auditada por uma certificadora credenciada pela Secretaria de Agricultura.Cerca de 20 empresas já se candidataram a pré-qualificação. Os primeiros produtos com o selo, segundo Pieralini, deverão chegar ao mercado dentro de 60 dias. ?A certificação será voluntária e garantirá a procedência do carvão comercializado no Estado. Além de uma campanha de divulgação, contaremos com o apoio e parceria das associações de supermercados, de carne, postos de gasolina e churrascarias, que querem o produto certificado?, diz.Atualmente, São Paulo conta com cerca de 1500 pequenos produtores de carvão, grande parte deles em Salesópolis, com 450 produtores, Pedra Bela, com 180, e Nazaré Paulista, com 50. A certificação, porém, será fornecida às empresas que empacotam e industrializam o produto - cerca de 1400, incluindo as informais. ?Um dos nossos principais objetivos com o selo é trazer, no período de um ano, todas elas para a legalidade. Para tanto, estamos incentivando que formem associações e contaremos com a ajuda da Cetesb.O Estado produz 10 mil toneladas/mês de carvão vegetal e o consumo chega a 18 mil toneladas/mês. ?Com a garantia de um produto de qualidade, esperamos incentivar a produção paulista. Atualmente, 99% do carvão em São Paulo é produzido de eucalipto, apenas 1% ainda vem de desmatamento de mata nativa, principalmente no Vale do Ribeira?, explica o presidente do Sincal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.