Casal gay é autorizado a adotar bebê em Minas

Ainda cabe recurso, mas casal já está com a criança

MARCELA GONSALVES, Agência Estado

27 Maio 2011 | 15h59

A Justiça de Minas Gerais concedeu, por unanimidade de votos, a adoção de um bebê para um casal de homossexuais. A decisão foi divulgada nesta sexta-feira. A adoção pelas duas mulheres já havia sido autorizada em primeira instância, mas o Ministério Público recorreu alegando, entre outros argumentos, que a adoção do menor por homossexuais poderia gerar-lhe constrangimentos futuros.

Dessa decisão ainda cabe recurso, mas se não houver alteração na decisão, as parceiras poderão registrar o bebê. A criança, na verdade, já está com elas desde praticamente seu nascimento. No processo, ficou comprovado que a mãe biológica não tem condições de cuidar do bebê, nem interesse em fazê-lo, assim como a avó.

Os desembargadores da 1ª Câmara Cível de Belo Horizonte fundamentaram sua decisão em princípios constitucionais e na recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que equiparou os direitos dos homossexuais aos dos heterossexuais, considerando a união como mais uma unidade familiar.

Veja também:

link Evangélicos impedem votação do projeto que criminaliza homofobia

link CNBB diz em nota que não reconhece decisão do STF sobre união homoafetiva

link Casal homossexual registra união estável em Curitiba

link Para STF, leis que venham a restringir direitos de gays serão inconstitucionais

Mais conteúdo sobre:
adoação casal gay criança

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.