Casos de demência duplicarão a cada 20 anos

O número de casos de demência no mundo todo será duplicado a cada 20 anos, de acordo com um estudo publicado nesta sexta-feira pela revista científica britânica The Lancet. A pesquisa afirma que, a cada sete segundos, surge um novo caso de demência no mundo, associado a doenças como Alzheimer.O número de pessoas que sofrem algum tipo de demência atualmente estaria em 24,3 milhões. Os cientistas calculam que, a cada ano, serão diagnosticados 4,6 milhões de novos casos, o que elevará o número para 81,1 milhões em 2040.O estudo foi elaborado para a Associação Internacional de Alzheimer (ADI), que prepara comemorações do centenário da primeira descrição da doença. Segundo a pesquisa, o maior número de pessoas com demência vive em países em desenvolvimento, onde o índice de aumento será entre três e quatro vezes maior.O estudo destaca a China, onde foram registrados 5 milhões de casos. Na Europa ocidental, o número de pacientes com demência é de 4,8 milhões; na América do Norte é de 3,4 milhões. Segundo o estudo, em 2040 haverá tantas pessoas com demência na China como em todos os países desenvolvidos juntos."Enfrentamos uma bomba-relógio", disse o presidente da ADI, Orien Reid, para quem "os governos devem começar a formular medidas e destinar recursos médicos e de assistência social para o futuro".Reid disse ainda que "outro motivo de preocupação é que milhões dos casos de demência não são diagnosticados, por isso, essas pessoas não recebem os cuidados e os serviços de que necessitam".

Agencia Estado,

16 de dezembro de 2005 | 12h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.