Células de insetos poderiam oferecer alternativa contra gripe A

Cientistas da Áustria estudam método no qual vacina pode ser produzida em tempo reduzido

Efe,

05 Janeiro 2010 | 03h14

Cientistas austríacos desenvolveram uma nova técnica para produzir vacinas contra a gripe A baseada em células de insetos, revelou um estudo publicado na segunda-feira, 4, pela revista Biotecnology Journal. Segundo o relatório, esse tipo de vacina poderia ser produzido de maneira mais rápida que o sistema tradicional, o que abriria uma nova porta na luta contra a pandemia.

 

"Os recentes surtos de gripe sublinham a importância de uma provisão rápida e suficiente. Os métodos clássicos não atendem devidamente a demanda", afirma Florian Krammer, cientista da Universidade de Recursos Naturais e Ciências Aplicadas de Viena e autor principal do estudo.

As vacinas tradicionais, que são produzidas a partir de ovos de galinha embrionados, podem ser produzidas em quantidades suficientes para enfrentar as diversas cepas de gripes estacionais. No entanto, devido ao fato de a quantidade desse tipo de ovos ser limitada, poderia ser insuficiente em uma situação pandêmica como a atual de gripe A, indicou o estudo.

 

Mediante a tecnologia que utiliza células de insetos os cientistas conseguiram recombinar partículas de vírus similares aos da gripe, mas sem seu ácido nucleico, o que impossibilita sua transmissão e contágio.

 

De acordo com o relatório, os cientistas austríacos demoraram dez semanas para produzir esse tipo de vírus para um estudo imunológico com ratos. O método demonstrou que é possível produzir uma vacina nesse tempo, muito mais curto que o dos sistemas tradicionais que podem demorar meses, assinalaram.

 

Além disso, o emprego das células de insetos não tem as desvantagens da produção baseada em ovos - além da limitação citada, provoca reações alérgicas e coloca problemas de segurança biológica - indicaram os cientistas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.