Células-tronco humanas se comunicam em cérebro de rato

Avanço pode levar a uma menor necessidade de células-tronco como ponto de partida, afirmam cientistas

Efe,

16 de fevereiro de 2009 | 14h25

Cientistas da Universidade de Bonn conseguiram produzir as chamadas células-tronco cerebrais a partir de células-tronco humanas, e implantá-las no cérebro de um rato, onde se comunicaram com outras células.   "Esta é a primeira evidência direta de que as células nervosas, obtidas a partir de células-tronco humanas, podem se integrar no circuito de um cérebro animal", explicou nesta segunda-feira, 16, o autor do estudo, Philipp Koch.   As células-tronco cerebrais formam um tipo concreto de células nervosas, as células-tronco em sua fase adulta.   Por enquanto, os cientistas conseguiram obter as denominadas cientificamente células-tronco cerebrais apenas de uma forma completamente artificial, a partir de células-tronco embrionárias.   A obtenção destas células é um avanço duplo no tema da pesquisa com células-tronco.   Por um lado, indica que as células obtidas podem se reproduzir em laboratório quase ilimitadamente e gerar, com isso, muitas formas diferentes de células nervosas, acrescentou o professor Oliver Brüstle, também envolvido no estudo.   Isto poderia repercutir em uma menor necessidade de células-tronco como ponto de partida, pelo menos por enquanto, apontou Brüstle.   Por outra parte, as células-tronco cerebrais não só podem se manter quase ilimitadamente em um cultivo, mas também podem servir como uma fonte inesgotável.   "Elas proporcionam durante meses e anos as células nervosas humanas", acrescentou o professor.   Além disso, os cientistas descobriram que entre as células nervosas obtidas há algumas que deixam de funcionar em caso de doença de Parkinson.   O próximo objetivo dos cientistas é reproduzir as células-tronco em um animal doente - de Parkinson, por exemplo - e comprovar se conseguem reduzir os sintomas da doença.   A descoberta foi publicada na revista especializada Proceedings, editada pela National Academy of Sciences dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.