Centenas de coreanas doam óvulos para pesquisas

Pelo menos 700 sul-coreanas se apresentaram nos últimos dias como voluntárias para doação de óvulos ao Banco Mundial de Células-Tronco, criado em Seul pelo pioneiro da clonagem terapêutica Hwang Woo-suk.As mulheres se sensibilizaram quando o pesquisador renunciou a seus cargos públicos, na semana passada, ao pedir desculpas publicamente e admitir que usou em pesquisas óvulos de pessoas de sua própria equipe - um procedimento considerado antiético.A polêmica causada pelas acusações contra Hwang gerou um forte movimento de apoio ao cientista, considerado um herói nacional na Coréia do Sul. Ele e sua equipe foram os primeiros a clonar embriões humanos, em fevereiro de 2004, para obtenção de células-tronco.O movimento em favor de Hwang defende a continuidade de suas pesquisas, que podem levar a tratamentos para doenças hoje incuráveis, como Alzheimer, Parkinson e diabete. Muitos partidários do cientista estão, inclusive, assumindo posturas radicais, ameaçando os que criticam Hwang.A emissora de TV MBC recebeu ameaças nos últimos dias, depois que um programa jornalístico publicou reportagem levantando a suspeita de que o cientista teria comprado centenas de óvulos no ano passado. A prática não era ilegal em 2004, mas seria considerada antiética.O presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, foi forçado a se pronunciar pedindo que não haja radicalismo e intolerância. De modo geral, as autoridades torcem para que o cientista possa continuar com suas pesquisas.A Universidade Nacional de Seul informou que Hwang ainda não encaminhou seu pedido de demissão por escrito. "E nós esperamos que ele não o faça", disse Pi Ji-young, porta-voz da instituição.   leia mais sobre células-tronco

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.