Centro de pesquisa transforma CO2 em gás natural

O laboratório já projetou várias maneiras de capturar e armazenar embaixo da terra o CO2 das indústrias

Efe

05 de maio de 2008 | 14h35

Uma equipe de pesquisadores britânicos, dirigida pela cientista espanhola Mercedes Maroto-Valer, desenvolveu uma tecnologia capaz de transformar o dióxido de carbono (CO2), o principal responsável pela mudança climática, em gás natural.   Isto foi revelado à Agência Efe por Maroto-Valer, chefe do Centro para a Inovação em Captura e Armazenamento de Carbono (CICCS, em inglês), da Universidade de Nottingham, no Reino Unido.   Trata-se de um laboratório pioneiro na busca de soluções que permitam capturar e processar o CO2 para reduzir a presença do gás na atmosfera.   O CICCS já projetou vários procedimentos para capturar o CO2 emitido pelas indústrias mais poluentes, como as centrais termelétricas, as companhias de cimento e as petrolíferas, e armazená-los em sedimentos geológicos, como poços de petróleo ou de gás já esgotados, minas de carvão e formações geológicas.   No entanto, esta possível solução para reduzir a presença de CO2 na atmosfera apresenta alguns inconvenientes, já que não se sabe o tempo máximo que o gás poderia permanecer armazenado, e existe o risco, "imprevisível, mas possível", que haja fuga em grande escala, o que poderia causar graves conseqüências ambientais.   A solução, além de "esconder" o CO2 sob a terra, inclui encontrar um método que permita a reutilização deste gás para conseguir, com segurança e eficácia, a redução de sua presença na atmosfera e diminuir o aquecimento global.   A equipe da Maroto-Valer trabalha atualmente em uma tecnologia capaz de transformar o CO2 em metano graças a um processo similar à fotossíntese.   "As plantas usam CO2, água e luz e os transforma em açúcares. Nós fazemos um processo parecido. Também usamos luz, água e CO2, mas, em vez de gerar carboidratos, produzimos metano", explicou a pesquisadora.   Maroto-Valer afirmou que a aplicação da tecnologia em escala mundial permitiria obter o "ciclo perfeito da energia", já que "o CO2 seria passado a gás natural e deste ao CO2 novamente." "Seria a solução perfeita", destacou.   A cientista frisa que o mais importante na luta contra a mudança climática é "não se concentrar em um único processo", mas desenvolver várias soluções possíveis, aplicáveis segundo as necessidades de cada país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.