Cérebro continua a se desenvolver mesmo depois dos 50 anos

Pesquisador disse que é importante novas coisas para que desenvolvimento continue mesmo após os 20 anos

Efe

09 de julho de 2008 | 16h50

Um grupo de cientistas alemães da Universidade de Hamburgo e do Hospital Universitário de Jena demonstraram que pessoas com mais de 50 anos podem fazer com que o cérebro continue se desenvolvendo e crescendo, se aprenderem novas habilidades.  Os investigadores, cujo estudo foi publicado nesta quarta-feira, 9, na revista Journal of Neuroscience, estudaram 44 pessoas entre 50 e 67 anos, a quem pediram que aprendessem a fazer malabarismo. Logo após uma fase de treinamento de três meses, os cientistas comprovaram que houve um crescimento em diferentes regiões cerebrais das pessoas submetidas ao experimento.  As regiões que cresceram foram as que têm importância para o aprendizado e para a percepção de movimentos assim como as zonas que regulam o sistema de auto-recompensa do cérebro. Após esse primeiro resultado, as 44 pessoas examinadas interromperam seus treinamentos durante três meses, depois dos quais se comprovou que as mesmas regiões cerebrais haviam encolhido um pouco.  Os resultados dessas 44 pessoas foram comparados com um grupo de controle de 25 pessoas não submetidas a nenhum treinamento especial e cujos cérebros não registraram transformações nos dois períodos.  "Os resultados mostram que as transformações cerebrais não se limitam ao cérebros jovens, sendo que a estrutura do cérebro adulto pode mudar em idades mais avançadas", explicou o diretor do estudo, Arne May.  Por isso, May disse que é importante assumir novos desafios e aprender novas coisas.  Há um tempo, o mesmo grupo de investigadores havia demonstrado em um estudo publicado pela Nature que depois do processo de crescimento, que termina por volta dos 20 anos, o cérebro estava em condições de continuar crescendo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.