Cérebro humano tem aversão à desigualdade, mostra estudo

Cérebro de pessoas que receberam mais dinheiro em experimento se alegra com ganhos de menos privilegiados

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

24 Fevereiro 2010 | 15h03

O cérebro de uma pessoa "rica" se alegra quando um "pobre" ganha algum dinheiro, mas o cérebro do "pobre" não acha graça em ver o rico enriquecer ainda mais, o que sugere a presença de um instinto de aversão à desigualdade instalado na mente humana. "Ricos" e "pobres", no caso, são voluntários de um experimento envolvendo distribuição desigual de dinheiro e ressonância magnética, realizado por pesquisadores dos EUA e Irlanda e publicado na edição desta semana da revista Nature.

 

Uma hora de sesta pode deixar as pessoas mais inteligentes

Leitura de mentes pode beneficiar a sociedade, diz estudo

Testosterona dos corretores afeta o mercado, diz estudo

 

"Nós vemos atividade em parte do cérebro associadas à resposta a recompensas quando voluntários observam a si mesmos ou outras pessoas recebendo vantagens monetárias em potencial", explica um dos autores do trabalho, John O'Doherty, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em entrevista ao estadao.com.br.

 

Na realização do estudo, voluntários, divididos em duplas, receberam US$ 30 cada e, em seguida, participaram de sorteios onde, dependendo do resultado, cada um foi designado "rico" (recebendo US$ 50 a mais) ou "pobre" (não recebendo nenhum dinheiro extra).

 

Os voluntários das duplas foram então submetidos então a ressonância magnética funcional do cérebro, enquanto um pesquisador propunha novas transferências de dinheiro para  um ou outro membro, analisando a atividade de duas áreas - o estriato ventral  e o córtex frontal ventromedial - que reagem ao recebimento de recompensas.

 

Tanto "ricos" quanto "pobres" tiveram aumento na atividade cerebral das regiões analisadas quando recebiam a proposta de obter mais dinheiro. No entanto, o cérebro dos "ricos" animava-se mais quando a proposta de ganho era feita ao "pobre" do que quando era dirigida a si mesmo. No caso dos participantes "pobres", o efeito era o oposto: a área de recompensa do cérebro era mais estimulada por ganhos próprios do que por pagamentos ao "rico".

 

Além de se submeter à ressonância magnética, os participantes também responderam a questionários sobre a experiência. Ambos os grupos disseram valorizar as recompensas extras recebidas, embora os membros do grupo rico dessem menos valor a esses ganhos que os do grupo pobre. E, em contraste com os dados cerebrais registrados, os "ricos" responderam dizendo que davam mais valor aos pagamentos recebidos pessoalmente do que aos feitos aos "pobres".

 

"Sim, isso é intrigante", diz O'Doherty, sobre a diferença entre a resposta verbal e a prevista pela ressonância. "Mas, claro, são esses enigmas que nos levam a realizar novas investigações. Minha intuição é de que, se pedíssemos às pessoas para realmente escolher entre várias transferências que variem no grau de aversão à desigualdade, poderíamos encontrar padrões de escolha parecidos com os que vimos no cérebro".

 

Outra característica do estudo é o fato de ele evitar estabelecer qualquer tipo de competição ou custo para os participantes: nem "ricos " e nem "pobres" sofreram perdas quanto o outro grupo ganhava mais recursos. Mas essa situação não difere da percepção dos efeitos da desigualdade que existe na sociedade?

 

"A razão pela qual não fizemos isso é que se um aumento na riqueza de um jogador estivesse associada a uma redução na de outro, então efetivamente um jogador estaria sendo punido e o outro recompensado", explica O'Doherty, acrescentando que isso complicaria o trabalho.

 

"Estaríamos olhando para reações a recompensas a si mesmo e ao outro, e reações à punição de si mesmo e do outro", o que criaria a dificuldade extra de "desemaranhar" os diferentes impactos na atividade cerebral.

 

Com a ressalva de que a evolução biológica de fenômenos com a aversão à desigualdade não é sua área de especialização, o cientista cita a necessidade de coesão dentro dos grupos humanos como uma possível causa desse mecanismo.

 

Mesmo reconhecendo que os seres humanos competem e lutam entre si, ele pondera que "a presença de um certo grau de aversão á desigualdade pode ser um fator importante em moderar essa competição, reduzindo a probabilidade de que o excesso de competição faça com que os grupos se destruam por completo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.