Cern lança rede mundial de computação do LHC

Dados anaisados serão produzidos pelas centenas de milhões de colisões subatômicas

EFE,

03 de outubro de 2008 | 14h18

A Organização Européia para a Pesquisa Nuclear (Cern) lançou nesta sexta-feira, 3, a rede eletrônica mundial do Grande Colisor de Hádrons (LHC), o superacelerador de partículas desta instituição. A rede contará com um sistema que combina a capacidade de 140 centros de computação em 33 países e permitirá aos cientistas analisar a grande quantidade de dados que devem ser gerados pelo LHC.   Veja também: Vazamento e reparo empurram reativação do LHC para 2009  Brasileiro explica o experimento na Suíça  Entenda o LHC Assista ao vivo o que acontece no laboratório  Experiência do LHC depende de rede mundial de computadores  Estudo reafirma que acelerador de partículas LHC é seguro  Cientistas criam rap para explicar o Grande Colisor de Hádrons  LHC não vai destruir a Terra, conclui relatório de segurança  Cientistas querem proibir simulação do 'Big Bang'   Site do Cern  Site do LHC Grid  Animação que explica como o LHC Grid funciona  Vídeo do Cern explica o LHC em três minutos (em inglês)   Galeria com imagens do LHC        O lançamento da rede LHC Computing Grid ocorre três semanas depois da experimentação dos primeiros feixes de partículas no anel subterrâneo do superacelerador, com o qual os cientistas pretendem descobrir os mistérios da criação do Universo. Problemas técnicos determinaram o fechamento do LHC neste ano, e as operações só deverão ser retomadas no segundo trimestre de 2009.   Na rede de computação, um grande número de computadores trabalhará simultaneamente na análise e gestão de mais de 15 milhões de gigabytes de informação por ano.   Estes dados serão produzidos pelas centenas de milhões de colisões subatômicas que acontecerão dentro do LHC por segundo, quando o acelerador começar a funcionar.   Segundo os especialistas do CERN, "a gestão desta informação é uma etapa essencial no processo que permitirá aos cientistas fazer novas descobertas no campo da física".   O responsável do projeto, Ian Bird, disse que o início do sistema de computação mostra o excelente resultado da colaboração do Cern com países de todo o mundo, "sem os quais isso não teria sido possível".   O sistema eletrônico do LHC é baseado em redes de fibra óptica que distribuem a informação do CERN para 11 grandes centros na Europa, América do Norte e Ásia, que depois a enviam aos 140 centros no mundo todo para processamento.   Para ilustrar a magnitude deste sistema, Bird disse que normalmente será possível processar 250 mil tarefas diárias. Cada tarefa, explicou, pode significar cálculos que durariam várias horas ou dias em um processador avançado.

Tudo o que sabemos sobre:
lhccernlhc grid

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.