Cetesb confirma contaminação de área ocupada por

A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) comprovou ontem a contaminação de 5% do terreno de 470 mil metros quadrados, no km 205 da Rodovia Presidente Dutra, em Guarulhos, para onde foram levadas 2 mil famílias de sem-teto de Osasco, no fim da semana passada. Os técnicos constataram a presença dos mesmos agentes apontados por laudo da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Na avaliação da Cetesb, as famílias devem ser retiradas imediatamente do local e os barracos, removidos. Ontem, uma mulher, identificada como Marta, de idade entre 40 e 45 anos, foi internada num posto de saúde local. Ela apresentava marcas de alergia pelo corpo, ânsia de vômito e falta de ar. "Temos 49 pessoas, incluindo crianças, apresentando sintomas de intoxicação", disse a coordenadora do setor de Saúde do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Cristina Melo. A transferência das famílias para o terreno, pertencente à Companhia de Desenvolvimento Habitacional Urbano (CDHU), foi determinada pelo secretário da Justiça e da Defesa da Cidadania, Alexandre de Morais. Em vistoria no terreno, técnicos de Guarulhos constataram a presença de resíduos industriais com alto grau tóxico, como areia de fundição, borra de alumínio, fibra de vidro e colóides com odor de solvente. "A situação é preocupante. Alguns desses resíduos estão na superfície, o que facilita a contaminação", afirmou o chefe da Divisão Técnica de Avaliação Ambiental da secretaria, Edson José de Barros. Ontem, o prefeito de Guarulhos, Elói Pietá (PT), encontrou o governador Geraldo Alckmin (PSDB) no Palácio dos Bandeirantes, para pedir providências. O secretário de Justiça estava em reunião, no fim da tarde de ontem, e não pôde atender à reportagem até as 19h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.