Cetesb dialogará mais, promete novo presidente

A nova direção da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), empresa ligada à Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo, deverá ter uma postura de dialogar mais com a iniciativa privada e com o terceiro setor. A promessa foi feita hoje pelo novo presidente da companhia, Rubens Lara, após sua posse, e é mais um indício da implementação da política desenvolvimentista desejada pelo governador Geraldo Alckmin para os próximos anos.?Quero que os ambientalistas não apenas critiquem, mas que proponham soluções?, afirmou. Ele ressalvou, porém, que a nova postura da Cetesb, mais inclinada para negociação e que buscará ajudar o Estado no projeto de geração de emprego e renda, não resultará em maior flexibilidade para a liberação de licenças ambientais para a implementação dos novos empreendimentos.?A Cetesb tem que cumprir seu papel de preservar o meio ambiente e mostrar que a questão ambiental é mais uma parte do conjunto do desenvolvimento sustentável e duradouro. Somos responsáveis por nossas ações e vamos cumprir as normas estabelecidas?, garantiu.Nos últimos anos, a Cetesb tem sido muito criticada por empresários pela morosidade e dificuldades impostas para a liberação de licenças ambientais para novos empreendimentos. Um dos episódios mais recentes e marcantes da queda-de-braço vivida entre a estatal e o setor privado ocorreu pelo atraso em conceder autorizações para que usinas termoelétrias fossem construídas no Estado. Parte dos projetos foram abandonados e, entre várias justificativas, os empreendedores argumentavam os empecilhos para se conseguir a licença ambiental.?Em dados momentos, os pontos de vista da indústria e do governo são diferentes e, para serem corrigidos, precisa haver negociação. É o que faremos?, reiterou.O presidente da Cetesb insistiu, porém, que muitas empresas sofrem dificuldades na liberação das licenças ambientais por contratarem assessorias ruins, sem qualificação e conhecimento técnico. DesafiosRubens Lara disse que sua administração à frente da empresa buscará o desenvolvimento de projetos que ajudem a incentivar a industrialização de ponta no Estado, comprometendo o mínimo do meio físico.Também manifestou querer se aproximar das micro e pequenas empresas para o desenvolvimento de projetos de controle ambiental com a racionalização da produção.Outras iniciativas, segundo o executivo, serão no sentido de se ampliar a cooperação técnico-científica com o setor do agronegócio e o desenvolvimento de programas integrados com outras áreas do governo, especialmente no âmbito do Comitê de Desenvolvimento Econômico Sustentável estabelecido por Alckmin na sua primeira semana de governo.

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2003 | 16h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.