Chances de vida inteligente fora da Terra são baixas, diz estudo

Cientista diz que o desenvolvimento da vida até atingir a complexidade necessária para a inteligência é raro

Da BBC Brasil, BBC

17 de abril de 2008 | 18h00

As chances de vida inteligente se desenvolver em planetas semelhantes à Terra são extremamente baixas, segundo os cálculos de um cientista britânico divulgados na revista especializada Astrobiology. Segundo o professor Andrew Watson, da Universidade de East Anglia, seres humanos evoluíram passando por quatro "estágios críticos", e a probabilidade de esses mesmos estágios terem ocorrido em outro planeta é de menos de 0,01%. Os quatro estágios seriam: bactéria de uma única célula, células complexas, células especializadas que permitem formas complexas de vida e vida inteligente com uma linguagem estabelecida. A descoberta de planetas fora do Sistema Solar tem aumentado a busca por vida inteligente fora da Terra. "Mas formas complexas de vida podem ser um fenômeno raro, e seres observadores ainda mais raros", escreve Watson. Por isso, segundo ele, dezenas de milhares de planetas semelhantes à Terra poderão ser encontrados antes que seja possível encontrar um que sirva de abrigo para organismos sofisticados. A razão para isso é que o "período habitável" de um planeta com as mesmas características da Terra - estimado em 5 bilhões de anos - raramente será suficiente para que organismos complexos se desenvolvam. "Acredita-se que nós, seres humanos, tenhamos evoluído no fim do período habitável da Terra, e isso sugere que a nossa própria evolução é improvável. Na verdade, o momento em que os eventos se deram é consistente com o fato de que é realmente muito raro", afirma Watson. "Isso tem um impacto no nosso entendimento sobre a probabilidade de vida complexa e inteligência ocorrendo em qualquer outro planeta", completou. Modelos da temperatura global futura sugerem que, devido à crescente luminosidade solar, o futuro período de vida na Terra será de "apenas" mais um bilhão de anos - pequeno se comparado aos quatro bilhões de anos desde que formas de vida apareceram no planeta. "A noção de que a evolução envolve uma progressão previsível, de tal forma que a emergência de inteligência é inevitável, é considerada extremamente antropocêntrica", afirma Watson. "O tipo de evolução que aconteceu na Terra pode ser incrivelmente improvável", afirma. Watson completou seu doutorado sob a supervisão de James Lovelock, autor da teoria de Gaia, que vê a Terra como um sistema completo, e diz ter sido influenciado por ela.  BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
astrobiologiaSETIplanetas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.