Cheiro do suor é gerado por uma só proteína, aponta estudo

Pesquisadores afirmam que o odor da transpiração pode influenciar na hora de escolher o parceiro

Efe,

12 Novembro 2009 | 11h35

Uma única molécula proteica é responsável pelo cheiro do corpo gerado pelo suor nas pessoas, conforme descobriram cientistas alemães do centro de pesquisas da empresa Beiersdorf AG, em Hamburgo. Um porta-voz da companhia explicou nesta quinta-feira, 12, que todas as partículas que formam o cheiro do suor são transportadas à superfície da pele por essa proteína, batizada como ABCC11.

 

Ao chegarem à superfície cutânea, as proteínas são decompostas por bactérias que, por sua vez, provocam o típico cheiro do suor, como assinalaram os cientistas, que publicam os resultados de seu estudo na revista Journal of Investigative Dermatology.

 

"Com este estudo foi possível fechar um vazio na compreensão dos processos da formação do cheiro corporal", disse um porta-voz da Beiersdorf. Segundo ele, as pesquisas mostraram também a existência de uma diferença genética entre europeus e asiáticos na hora de suar.

 

Dependendo de seu lugar de origem, entre 30% e 100% de determinadas povoações asiáticas não emitem cheiro algum ao suar, já que têm a atividade da proteína ABCC11 limitada.

 

Os especialistas alemães comentaram que essa variante genética pode também determinar a facilidade na hora de escolher o parceiro, com vantagem para aquelas pessoas cujo suor não cheira.

Mais conteúdo sobre:
suorproteina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.