China anuncia 3 primeiros casos de gripe em humanos

O Ministério da Saúde da China confirmou nesta quarta-feira os três primeiros casos de gripe aviária em humanos, sendo dois na província central de Hunan e outro na de Anhui, no leste. A confirmação, repercutida pela agência oficial Xinhua, não dá, por enquanto, mais dados.É provável que entre os dois casos de Hunan esteja o de uma menina de 12 anos que morreu em 17 de outubro. Sua morte estava sendo investigada por especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS).Se isso for confirmado, a China passa ser o quinto país do mundo com casos fatais de gripe aviária em humanos, após Vietnã, Tailândia, Camboja e Indonésia. O número de pessoas mortas no mundo aumentaria para 64.Focos escondidosUm oficial da província chinesa de Liaoning foi detido e outros sete foram afastados de seus cargos por ocultar dados sobre a gripe aviária na região, a mais afetada do país pela doença, segundo a imprensa oficial.O detido é Zhao Yonghe, responsável por pecuária da localidade de Badaohao, no distrito de Heishan, onde em 4 de novembro se confirmou um foco do vírus H5N1 que matou 9 mil aves de granja, um dos mais graves na China.Segundo a informação divulgada nesta quarta pela agência de notícias Xinhua e pela imprensa chinesa, Zhao informou oficialmente que as aves estavam saudáveis, enquanto os animais tinham sido atingidos pela doença.Os subchefes da autoridade local de Badaohao, Liu Baoyu, a do distrito de Heishan, Liu Yushen, e do povoado vizinho de Wuliangdie, Liu Suhua, foram afastados de seus cargos por "descumprimento de dever".Os outros quatro penalizados têm relação com outro foco na mesma província, registrado em 11 de novembro no distrito de Beining, que matou 300 aves e levou ao extermínio de outras 5.500.Nesse caso, perderam seu cargo, também por "descumprimento de dever", o subchefe do distrito, o subchefe da localidade de Gouwangzi, o diretor do Escritório Veterinário de Beining, e o secretário do Comitê do Partido Comunista no povoado de Qingduizi. Chama a atenção o fato de que a maioria dos penalizados é "número dois" nos escritórios, enquanto seus superiores não sofreram sanções.AvançoNas últimas semanas, com a extensão dos focos no país (já são 14 neste ano), as autoridades chinesas prometeram duras sanções contra oficiais que falseiem informações ou demorem a informar sobre os casos de gripe aviária.O governo chinês quer evitar que se repita a desastrosa gestão durante a epidemia da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars), que matou mais de 800 pessoas na Ásia Oriental e no Canadá. A lentidão da resposta de Pequim favoreceu a extensão da doença.   leia mais sobre gripe aviária

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.