China dá novos indícios sobre evolução da vida

A China revelou nesta primeira metade de junho duas importantes contribuições sobre a evolução da vida na Terra. A primeira indica que organismos complexos começaram a existir muito antes do que se imaginava: um minúsculo fóssil encontrado em minas de fosfato, datado de 600 milhões de anos, tem rudimentos de uma estrutura bilateral. A segunda descoberta foi a do primeiro fóssil de embrião de um réptil voador da era dos dinossauros.O fato de um fóssil de 600 milhões de anos mostrar simetria entre os lados esquerdo e direito do corpo - como os animais ? faz supor que o surgimento de organismos complexos na Terra ocorreu pelo menos 50 milhões de anos antes do Período Cambriano, em que teria ocorrido uma fantástica expansão das formas de vida no planeta.A descoberta, noticiada pela revista Science, foi feita por uma equipe de cientistas chineses e americanos. Organismos simples, parecidos com as bactérias atuais, datam de 3 bilhões de anos atrás, mas a grande questão tem sido o momento em que eles evoluíram para formas mais complexas. O fóssil chinês empurra este momento para trás, para o Período Pré-Cambriano.Os cientistas o batizaram de Vernanimalcula guizhouena, que significa "pequeno animal de Guizhou". O bichinho provavelmente vivia no leito raso de um mar morno, alimentando-se de micróbios.EmbriãoOs chineses também acrescentaram à galeria mundial de fósseis o primeiro embrião de pterossauro. É o único embrião de um réptil voador já encontrado até o momento. A descoberta ocorreu em Liaoning, no nordeste da China.Um ovo fossilizado, quase por inteiro, foi localizado por cientistas da Academia Chinesa de Ciências sob camadas sedimentares de um lago. No ovo está o embrião de 121 milhões de anos, com 27cm da ponta de uma asa à outra. Esta medida, segundo os cientistas disseram à Nature, indica que o embrião seria de um tipo de pterossauro médio ou grande.Primeiros vertebrados voadores de que se tem registro, os pterossauros surgiram provavelmente há 230 milhões de anos e desapareceram, junto com os grandes dinossauros, por volta de 65 milhões de anos atrás.

Agencia Estado,

14 de junho de 2004 | 12h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.