China pede informações sobre destruição de satélite espião

Um ano antes chineses destruíram satélite meteorológico, causando reação da comunidade internacional

Efe,

21 de fevereiro de 2008 | 05h25

O Governo chinês pediu nesta quinta-feira, 21, aos Estados Unidos que liberem informações sobre o lançamento de um míssil tático para destruir um de seus satélites espiões, sob a alegação de que podia se chocar contra a Terra. Veja também:Marinha dos EUA dispara míssil para derrubar satélite espião "A China pediu aos EUA para que cumpram com suas obrigações internacionais e liberem informações à comunidade internacional de forma oportuna e imediata, para que os países relevantes possam tomar precauções", disse o porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores chinês, Liu Jianchao. A destruição do satélite espião ocorre um ano depois de a China destruir um de seus próprios satélites meteorológicos, o que causou uma forte reação da comunidade internacional e, especialmente, de Washington. "A China acompanha de perto o possível dano que este ato americano possa causar para a segurança do espaço exterior e dos países relevantes", acrescentou o porta-voz Liu. O lançamento do míssil tático ocorreu nesta quinta-feira, da embarcação militar "Lake Erie", localizada no Pacífico Norte. O Pentágono informou que só divulgará dados sobre se conseguiu destruir o tanque do satélite dentro de 24 horas. O tanque do satélite espião, que entrou em órbita em 2006 e ficou fora de controle a pouco tempo, estava cheio de um gás tóxico chamado hidrazina, que ao se chocar com a atmosfera e disseminar-se poderia representar um grave risco para a população da Terra.

Tudo o que sabemos sobre:
satélitesatélite espiãoChinaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.