China prepara missão de astronautas com caminhada espacial

Analistas acreditam que a China tentará levar astronautas à Lua em 2017, anos antes do retorno dos EUA

AP,

22 de setembro de 2008 | 17h31

A China deve lançar nesta semana sua mais ambiciosa missão espacial.  A Shenzhou 7, que pode decolar a partir de quinta-feira, 25, será a primeira a carregar uma tripulação completa de três astronautas, um dos quais realizará a primeira caminhada espacial, ou "atividade extra-veicular", do programa espacial chinês. Esta será a terceira missão tripulada chinesa ao espaço.   A manobra ajudará a China a dominar as técnicas de atracamento necessárias para a construção de uma estação espacial, que provavelmente será iniciada com a ligação entre duas cápsulas Shenzhou.   A missão será lançada da base de Jiuquan, no noroeste chinês. O astronauta comandante, Zhai Zhigang, deverá executar a caminhada, que será transmitida ao vivo. "Shenzhou 7 é um passo pequeno, mas importante, à frente", disse a especialista em programa espacial chinês da Escola de Guerra Naval dos EUA, Joan Johnson-Freese.   Na crista de uma onda de orgulho nacional e patriotismo após os Jogos Olímpicos, a liderança chinesa enfrenta pouco do ceticismo público e dos apertos orçamentários que restringem programas espaciais em outras partes do mundo. Isso permitiu a fusão de vontade política e entusiasmo científico em um programa que, de passo em passo, um dia poderá levar astronautas chineses à Lua.   O programa espacial chinês avança metodicamente e de um modo "muito deliberado, muito gradual", diz o analista Charles Vick, do centro de estudos GlobalSecurity.org. Pequim vem acumulando as peças necessárias para um programa amplo, demonstrando "cautela e confiança" enquanto se aproxima dos EUA e outras potências espaciais.   Acredita-se que as metas incluam um pouso não-tripulado na Lua em 2012, uma missão para trazer amostras da Lua em 2015 e um possível pouso de astronautas em 2017 - três anos antes da meta americana para o retorno à Lua.   Um programa para explorara Lua com astronautas ainda não foi aprovado formalmente, embora seja "o objetivo final, com certeza", disse Johnson-Freese.   Antes disso, os cientistas chineses precisam dar os toques finais na nova geração de foguetes Longa Marcha 5, capaz de lançar 25 toneladas de carga ao espaço. Uma vez que isso seja feito, a especialista espera que o progresso virá rapidamente.   A primeira missão tripulada Shenzhou, em 2003, viu a China se juntar a EUA e à ex-União Soviética como as únicas nações capazes de levar um homem ao espaço por meios próprios.

Tudo o que sabemos sobre:
chinaespaçolua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.