<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

China promete medidas contra aquecimento global

A China garantiu que está tomando medidas para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa. Entre estas medidas estaria a criação de um organismo coordenador dos esforços nacionais contra a mudança climática, a participação em negociações internacionais e campanhas de conscientização da população.O governo chinês vive uma situação delicada com a entrada em vigor do Protocolo de Kyoto. Segundo maior produtor de gases poluentes no mundo - cerca de 18% das emissões globais -, a China não está obrigada pelo tratado a cumprir metas de redução por ser um país em desenvolvimento. Mas sua pujança econômica faz com que, moralmente, os chineses sejam cobrados.Pressões"Agora que a maior parte do mundo adota medidas concretas, a China terá que fazer o mesmo", disse à agência Efe Zhang Jianyu, representante em Pequim do grupo internacional Defesa Meio Ambiental.A falta de exigências à China, tida como uma potência econômica emergente, é um dos principais argumentos do governo de George W. Bush para rejeitar o Protocolo de Kyoto - apesar de os EUA serem os maiores emissores, com 36,1% do total. As metas de redução podem afetar a atividade industrial norte-americana, enquanto a China pode crescer sem limites, insinua a Casa Branca.A União Européia já pressiona o governo chinês a tomar iniciativas voluntárias contra o aquecimento global e as mudanças climáticas, segundo Catherine Day, diretora geral da Comissão Européia para o Meio Ambiente. BenefíciosOs chineses admitem a necessidade de tomar medidas, mas estão especialmente interessados nos benefícios que os países em desenvolvimento terão com o mercado de créditos de carbono. Uma das primeiras medidas referentes ao Protocolo de Kyoto foi criar um comitê para aplicar o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que permite aos países desenvolvidos reduzir sua cota de emissões mediante o financiamento de projetos limpos em países em desenvolvimento."O protocolo traz à China novas oportunidades para atrair investimento estrangeiro graças ao MDL", disse Wang Zhongying, subdiretordo Centro de Desenvolvimento de Energias Renováveis.  mudanças climáticas

Agencia Estado,

17 de fevereiro de 2005 | 10h52

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 9,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
1, 90
/ mês
No primeiro mês
R$ 19,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
22, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.