China responsabiliza países desenvolvidos por emissões de CO2

País, considerado maior emissor do mundo, apresentou livro de diretrizes para o aquecimento global

Efe e AP

29 de outubro de 2008 | 18h32

A China, países que mais emite poluentes no mundo, jogou hoje para os países desenvolvidos a responsabilidade pela redução das emissões de gases do efeito estufa, causadores de aquecimento global e mudança climática. "Países desenvolvidos deveriam ser responsáveis por suas emissões cumulativas e atual alta emissão per capita, e liderar a redução das emissões, além de oferecer apoio financeiro e transferência tecnológica para os países em desenvolvimento", disse o documento. Além disso, os países em desenvolvimento "devem adotar ativamente medidas de adaptação, reduzir suas emissões aos menores níveis e cumprir suas obrigações quanto à mudança climática."  Um livro branco (de diretrizes) publicado hoje pelo Escritório de Informação do Conselho de Estado chinês estipula que os países ricos devem gastar, pelo menos, 0,7% de seu Produto Interno Bruto (PIB) para ajudar aqueles em vias de desenvolvimento a enfrentar o problema da mudança climática. O documento de 44 páginas foi lançado pelo subdiretor da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Xie Zhenhua, ao explicar o conteúdo do livro branco, intitulado "Políticas e ações da China para lutar contra a mudança climática" à imprensa. "Mas até agora suas despesas estão muito abaixo desse nível", destacou Xie. "As nações ricas devem assumir uma maior responsabilidade na luta contra a mudança climática, já que suas emissões de gases do efeito estufa entre 1950 e 2000 representaram 77% do total mundial", alegou Xie. De acordo com especialistas, o país se tornou o maior emissor de dióxido de carbono devido à combustão de carbono, entre outros poluentes.  "De acordo com nossos dados, as emissões totais da China alcançaram atualmente quase o mesmo nível que as dos EUA, mas devemos estudar o assunto desde um ponto de vista eqüitativo e histórico", disse. Segundo a Agência de Avaliação Ambiental da Holanda, porém, as emissões de gases da China já superaram as dos Estados Unidos, em 8%, em 2006. O Conselho de Estado reconheceu que o processo de industrialização da China está dominado pela utilização do carvão como combustível, mas descartou mudanças substanciais em um futuro próximo. As declarações do Executivo chinês ocorrem por ocasião da realização em 7 e 8 de novembro, em Pequim, de uma cúpula sobre mudança climática organizada pela China e a ONU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.