Choque de partículas no LHC deve acontecer em breve

Físico brasileiro Andre Rabelo dos Anjos acompanha o experimento e dá detalhes sobre o clima na Suíça

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

10 de setembro de 2008 | 10h58

O esperado choque entre partículas no LHC deve acontecer nos próximos dias, segundo relato de Andre Rabelo dos Anjos, físico brasileiro filiado à Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, que acompanha de perto o experimento na Suiça. Segundo ele, não há uma data fechada para colocar as partículas em rota de colisão e é possível que, caso o experimento continue no bom ritmo atual, o choque aconteça em breve.  Rabelo dos Anjos explicou que os cientistas estão animados com os experimentos feitos no LHC nesta quarta-feira, 10. "Agora eles começam a introduzir o feixe no segundo sentido", relata Rabelo dos Anjos. No começo da manhã, um primeiro feixe foi colocado no LHC e, após as partículas completarem uma volta na máquina, que tem 27 km, um segundo feixe foi introduzido no sentido oposto.  Veja também: Brasileiro explica o experimento na Suíça  Entenda o LHCAssista ao vivo o que acontece no laboratório  Experiência do LHC depende de rede mundial de computadores Estudo reafirma que acelerador de partículas LHC é seguro Cientistas criam rap para explicar o Grande Colisor de Hádrons Terminam os últimos testes do Grande Colisor de Hádrons Acelerador de partículas será testado em setembro LHC não vai destruir a Terra, conclui relatório de segurança Cientistas querem proibir simulação do 'Big Bang'  Site do Cern Site do LHC Grid Animação que explica como o LHC Grid funciona Vídeo do Cern explica o LHC em três minutos (em inglês)   Galeria com imagens do LHC     "Os brasileiros têm participação em vários experimentos", diz. Rabelo dos Anjos explica que o objetivo do LHC "é desvendar os últimos mistérios da física de partículas". Segundo ele, os resultados não têm impacto direto na vida das pessoas. No entanto, toda a tecnologia produzida ao redor do experimento terá um impacto grande. Para ilustrar, o físico comenta a ida do homem à lua. "Ir a Lua não afeta sua vida diretamente. Mas para o homem ir à Lua foi preciso inventar o cristal liquido e ele sim foi importante para a vida das pessoas". A tecnologia gerada para o experimento pode ser usada para outras áreas. Em relação ao medo de algumas pessoas de que o mundo poderia acabar com o início das operações do LHC, o físico afirma que tudo não passa de especulações de quem não conhece detalhes da operação. "A possibilidade disso acontecer é zero. É possível comparar com a probabilidade de você correndo atravessar um muro". Além disso, ele afirma que os físicos envolvidos no projeto tratam tal especulação como "uma grande piada".

Tudo o que sabemos sobre:
LHCfísicaCernAndre Rabelo dos Anjos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.