Cientista diz ter descoberto como pterossauros voavam

Animais decolavam com impulso das quatro patas, de forma semelhante aos morcegos vampiros de hoje

Associated Press,

08 de janeiro de 2009 | 15h12

A versão jurássica dos grandes aviões a jato - enormes criaturas que pesavam centenas de quilos - é um mistério do voo: como uma coisa tão grande saía do chão? Um biólogo da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, acredita ter achado a resposta. O que as pessoas descrevem como " dinossauros voadores", mas que na verdade era répteis gigantes, não se lançavam ao ar como pássaros, mas saltavam usando as quatro patas, diz Mike Habib, do Centro de Anatomia Funcional e Evolução da universidade. Hoje, só os morcegos vampiros se comportam assim.   Essas criaturas voadoras são chamadas pterossauros. Compõem um grupo de répteis voadores que podiam pesar mais de 200 quilos e uma envergadura de asa do tamanho de ônibus modernos. No ano passado, cientistas tentaram entender como elas saíam do chão estudando o maior pássaro voador da atualidade, o albatroz. E concluíram que nada muito maior poderia decolar do mesmo jeito. Mas Habib diz que pterossauros não deveriam ser comparados a pássaros. "O problema é, eles não são construídos como pássaros", afirma.   Habib usou imagens de tomografia computadorizada de 155 espécimes de pássaros e de uma dúzia de espécies de pterossauros e descobriu grandes diferenças de força, tamanho e proporção. Nos pássaros, as patas traseiras são mais fortes que as dianteiras e, em alguns pterossauros, as dianteiras eram muitas vezes mais fortes que as traseiras.   "É como um sapo pulando", disse Habib, descrevendo como imagina que os pterossauros saíam do chão. "Eles se inclinam para a frente antes, mas pernas se lançam e, então, os braços decolam". Esse movimento teria permitido que alguns dos antigos gigantes se lançassem ao ar em menos de um segundo. Habib calcula que um pterossauro de 250 quilos, chamado Hatzegopteryx thambema, decolava a uma velocidade de 68 km/h.

Tudo o que sabemos sobre:
dinossauropterossauro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.