Cientistas acham macaco desconhecido na África

Uma nova espécie de macaco foi descoberta nas montanhas no sul da Tanzânia. Acredita-se que o animal seja uma espécie em grande perigo de extinção, com apenas mil indivíduos remanescentes. Ele se chama Mangabey da Montanha e vive em árvores.Os cientistas acham que o novo macaco é aparentado com a família do babuíno. Os detalhes da descoberta foram divulgados na revista Science. O Mangabey da Montanha (Lophocebus kipinji) é de cor marrom, com um grito suave que lembra uma buzina. Ele vive em regiões até 2,45 mil metros acima do nível do mar e tem pelos longos para enfrentar o frio. Mas os cientistas temem que ele esteja sob sério risco de extinção porque a exploração ilegal de madeira devastou parte de seu habitat natural.Um dos primeiros cientistas a ver o animal, Tom Butynski, diz que a sensação é única.?Sua boca fica escancarada e um grande sorriso desponta no seu rosto?, afirma ele.Butynski participou de uma equipe de cientistas norte-americanos que viajou à reserva florestal de Ndundulu para investigar rumores de que haviam sido vistos espécimes do mangabey sanje, um primo do novo macaco que também é raro.Sem que eles soubessem, um outro grupo de cientistas estava a algumas centenas de quilômetros procurando o mesmo primata. Este segundo grupo era liderado por Tim Davenport, da Sociedade para a Conservação da Vida Selvagem, de Nova York. Ele e seus colegas estavam na Tanzânia havia vários meses tentando obter imagens do mangabey singe quando caçadores locais disseram ter visto um animal estranho que chamavam de Kipnis.Os cientistas finalmente viram o recém-identificado macaco no ano passado.A existência de um mamífero tão grande vivendo anônimo por tanto tempo espantou biólogos.Fazia mais de duas décadas que havia ocorrido a última descoberta de um novo macaco africano.

Agencia Estado,

20 de maio de 2005 | 13h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.