<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Cientistas acham proteínas que dirigem células-tronco

Cientistas dos Estados Unidos identificaram proteínas consideradas chave para tratamentos com células-tronco.Em dois estudos divulgados nesta quinta-feira pela revista Science, os pesquisadores apresentaram uma proteína que ajuda a organizar o desenvolvimento das células da retina e outra, que dirige os neurônios criados a partir de células-tronco endógenas até que cheguem ao cérebro, onde podem substituir unidades velhas.As descobertas devem ajudar no desenvolvimento de tratamentos para doenças como degeneração da retina, Alzheimer, Parkinson e diabete. Em ambos os casos, a estratégia está na possibilidade de dirigir a diferenciação das células-tronco.Num dos estudos, um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriu a proteína que ajuda a organizar o desenvolvimento das células da retina.Chave da diferenciaçãoSegundo Anne Calof e um grupo de pesquisadores do Departamento de Anatomia e Neurobiologia da Universidade da Califórnia, a proteína, identificada como GDF11, controla um componente chave da diferenciação das células da retina durante o desenvolvimento celular, o que a transforma em alvo de novas pesquisas."Ao manipular a capacidade desta proteína de controlar o desenvolvimento celular, existe a possibilidade de um tratamento para controlaro poder das células-tronco que já existem na retina para substituir células que tenham sido perdidas ou estejam danificadas", disse Calof.Calof apontou que os tratamentos baseados nesta proteína são possíveis porque a retina contém suas próprias células-tronco que geram os fotorreceptores e permitem diferenciar as cores, por exemplo.Guiando neurôniosNo outro estudo, pesquisadores da Escola de Medicina da mesma universidade descobriram a forma como neurônios criados a partir decélulas-tronco endógenas são enviados ao cérebro. De acordo com os cientistas, esta descoberta sugere uma forma para criar tratamentos dirigidos especificamente a regiões cerebrais afetadas por doenças neurodegenerativas ou por apoplexias.Segundo Qun-Yong Zhou, professor do Departamento de Farmacologia, no estudo foi identificada a proteína que guia aos neurônios a um ponto específico do cérebro. A proteína, chamada "prokineticina 2" (PK 2) desempenha um papel crucial na integração funcional adequada dos novos neurônios."Uma das chaves no desenvolvimento de novos tratamentos para doenças neurodegenerativas e debilitantes reside na forma em que compreendamos como se encontram e integram os neurônios no tecido cerebral", disse Zhou.Zonas subventricularesEmbora todos os neurônios se diferenciem das células-tronco progenitoras durante o desenvolvimento, o cérebro adulto mantém algumas regiões onde as células-tronco neurais encontrem seus próprios neurônios para substituir os mais velhos.Umas dessas áreas são as zonas subventriculares, que são cavidades cheias de líquido em ambos os hemisférios do cérebro e que estão conectadas com o canal central da medula espinhal."Estamos aprendendo que as moléculas, como a PK 2, que dirigem o deslocamento dos neurônios, são cruciais na substituição neuronial e demonstram a forma em que se podem manipular as células-tronco adultas", disseram os autores do estudo.   leia mais sobre células-tronco

Agencia Estado,

23 de junho de 2005 | 15h18

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.