Cientistas alertam para efeito de vulcões submarinos

Cientistas que participam da Assembléia Geral da União Européia de Geociência, em Viena, advertiram nesta terça-feira sobre o perigo dos vulcões submarinos que produzem lodo e metano. A especialista em microbiologia aquática Antje Boetius afirmou que estes vulcões podem contribuir para o aquecimento global.Segundo Antje, que é do Instituto Max Planck, de Bremen (Alemanha), é importante realizar pesquisas para determinar que quantidade desse metano chega à atmosfera terrestre e que quantidade se transforma através da ação do fitoplâncton.Os vulcões submarinos têm um ecossistema próprio formado por microorganismos arcaicos e pouco conhecidos. Quando entram em erupção, não liberam lava e fogo, mas muito lodo e gás.Os especialistas afirmam que esse gás é composto principalmente pelo metano que procederia do interior da Terra e que se dispersaria durante a erupção em grandes quantidades de água quente carregadas de produtos químicos, expelidas por gêiseres.Essas fontes geotermais abrigam um exército de bactérias capazes de se alimentar do metano e que, ao mesmo tempo, alimentam outros invertebrados. Mas esses organismos só utilizam uma minúscula parte do gás.O restante do metano permanece na água e parte dele se transforma em dióxido de carbono (CO2). Só uma parte se dissolve graças aofitoplâncton, formado por microorganismos que têm capacidade de fotossíntese.  mudanças climáticas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.