European Southern Observatory / AFP
European Southern Observatory / AFP

Estrelas de nêutrons: cientistas anunciam descoberta de objeto astronômico inédito

Segundo o jornal The New York Times, o objeto é muito pesado para ser uma estrela de nêutrons, mas leve demais para ser considerado um buraco negro

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2020 | 23h01

NOVA YORK - Cientistas anunciaram a descoberta de um objeto astronômico inédito nas pesquisas espaciais. Trata-se de uma estrela de nêutrons negra, que, até então, não se imaginava ser possível de existir.

De acordo com o jornal The New York Times, o objeto é muito pesado para ser uma estrela de nêutrons, mas leve demais para ser considerado um buraco negro. A descoberta vai levar a novas pesquisas sobre como os corpos se formam no espaço.

A descoberta foi feita por uma equipe internacional de pesquisadores que trabalham em um projeto conhecido como Colaboração Científica Ligo-Virgo, usando detectores de ondas gravitacionais nos Estados Unidos e na Itália.

Os instrumentos detectaram a colisão de um buraco negro com massa 23 vezes maior do que a do Sol com outro objeto, que tinha 2,6 massas solares. “Esperamos décadas para resolver esse mistério”, disse Vicky Kalogera, da Universidade de Northwestern, uma das principais autoras do artigo, em entrevista. “Não sabemos se esse objeto é a estrela de nêutrons mais pesada conhecida ou o buraco negro mais leve conhecido, mas de qualquer forma ele quebra um recorde.”

Em uma declaração emitida pelo Conselho de Instalações de Ciência e Tecnologia da Grã-Bretanha, Charlie Hoy, um estudante da Universidade de Cardiff University e colega de Kalogera, se mostrou muito feliz com a descoberta. “Não acreditei no alerta quando o vi pela primeira vez. Não podemos descartar nenhuma possibilidade. Nós não sabemos o que é e é por isso que tudo é tão animador, porque isso realmente muda o nosso campo de estudo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.