Cientistas anunciam vacina contra vício em cocaína

Uma novidade e tanto na luta contra o vício da cocaína. A empresa farmacêutica britânica Xenova anunciou ter desenvolvido uma vacina - a TA-CD - que pode ajudar os dependentes da cocaína a se livrarem do vício da droga.Testes promovidos nos Estados Unidos mostraram que metade dos pacientes que receberam doses da vacina, não usaram cocaína por seis meses.A substância não pára o desejo que os viciados sentem pela droga. De acordo com os cientistas, ela apenas inibe a sensação que sentem ao usá-la.De acordo com o site da BBC Brasil, representantes da empresa afirmaram que essa inibição de sensações previne que as pessoas voltem a utilizar a droga.David Oxlade, presidente executivo da Xenova, está otimista. "Este é o terceiro estudo nos Estados Unidos que estamos reportando e mostra que quase a metade dos dependentes ficou livre da cocaína por seis meses".De acordo com o executivo, a TA-CD funciona como uma vacina normal. Ela foi criada com a anexação de partículas de cocaína com uma grande molécula de proteína maior.Essa proteína seria usada para estimular o sistema imunológico do corpo a produzir anticorpos que reconhecem a droga, evitando assim que a cocaína passe do sangue para o cérebro.Oxlade reconheceu que é possível que o usuário simplesmente mude de droga, mas salientou que durante os testes essa atitude ocorreu apenas algumas vezes.Um porta-voz do grupo britânico de assistência aos usuários de drogas, - Drugscope - afirmou que a vacina é "interessante" e parece estar "funcionando bem" para alguns usuários da cocaína, mas salientou que é preciso "lembrar que nem todas as pessoas reagem da mesma forma aos tratamentos".O porta-voz da Drugscope disse ainda que muitos usuários possuem problemas sociais e psicológicos complexos. "Uma vez que a cocaína pára de funcionar, eles acabam mudando para outra droga."

Agencia Estado,

14 de junho de 2004 | 21h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.