Cientistas atribuem tempestades do Sol a campo magnético

Equipe utilizou uma nova técnica para reconstruir 'com precisão' uma das erupções da superfície solar

Efe

11 de agosto de 2008 | 15h58

Cientistas do Instituto Max Planck identificaram a causa das erupções que surgem sobre a superfície solar como sendo uma série de oscilações de seu campo magnético, informou nesta segunda-feira, 11, o grupo alemão.  A equipe do departamento de investigação do Sistema Solar utilizou uma nova técnica para reconstruir "com precisão" uma dessas erupções, com suas oscilações magnéticas no espaço e no tempo.  Segundo assinalaram, um único estalido intenso na camada externa da atmosfera solar - chamada corona - é capaz de produzir, em um prazo de 30 minutos, uma quantidade de energia mil vezes superior ao que a Terra consome durante um ano. Através dessas erupções são lançadas partículas ao espaço, que podem danificar satélites e provocar quedas da rede elétrica na Terra, mas o que acontece antes e durante dessas explosões "só é conhecido parcialmente", explicou o cientista Thomas Wiegelmann. A equipe do instituto comprovou, durante vários dias, como se gera a energia sobre a superfície solar e como é descarregada após uma erupção, o que corroborou sua tese inicial de que ocorriam fugas energéticas, disse.  "Nos campos magnéticos a energia era gerada por vários dias e era logo armazenada em fortes correntes elétricas", indicou o cientista, que também explicou que, após a erupção, essas correntes se debilitam visivelmente.  As experiências do instituto confirmam que parte dessa energia é liberada nas erupções solares.  Segundo Wiegelmann, os resultados da investigação permitirão, no futuro, prever quando será produzida uma liberação intensa de energia na superfície solar.

Tudo o que sabemos sobre:
espaçociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.