REUTERS/Francois Lenoir
REUTERS/Francois Lenoir

Cientistas buscam pistas em fezes de pandas para produção de biocombustíveis

Objetivo é tentar entender como esses animais conseguem digerir bambus rígidos

ROBERT-JAN BARTUNEK, REUTERS

28 Setembro 2015 | 11h54

Pesquisadores belgas estão examinando as fezes de pandas gigantes para tentar entender como eles conseguem digerir bambus rígidos, na esperança de encontrar pistas para desenvolver novas gerações de biocombustíveis.

A configuração genética dos pandas é de animais carnívoros, mas os animais se adaptaram a uma dieta que consiste quase exclusivamente no consumo de bambu.

Enquanto alguns estudos científicos examinaram o sistema digestivo do panda, os pesquisadoras disseram que o estudo deles é o primeiro a focar nos microrganismos nas entranhas do animal.

"Podemos buscar novas enzimas que podem ser usadas para degradar biomassa", disse Korneel Rabaey, professor de tecnologia bioquímica e microbiótica na Ghent University.

Os resultados do estudo podem apontar meios novos e mais baratos para produzir a chamada segunda geração de biocombustíveis de plantas e biomassas não destinadas ao consumo.

O estudo pode ainda ajudar os pandas. "Também podemos voltar ao animal e entender por que ele está comendo somente alguns tipos e partes do bambu", disse Rabaey.

Mais conteúdo sobre:
CIENCIAESTUDOBELGICAPANDASFEZES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.