Cientistas buscam novas drogas no sangue de crocodilo

Cientistas estão capturando crocodilos na Austrália e fazendo testes com seu sangue na esperança de encontrar o caminho para produzir drogas que combatam infecções humanas.Os crocodilos costumam ter suas feridas curadas rapidamente e sem infecção. Estudos recentes mostraram que o sangue deles tem forte teor bactericida.O australiano Adam Britton e americano Mark Merchant passaram as duas últimas semanas percorrendo o Território do Norte da Austrália à procura de crocodilos de água salgada e doce. Merchant explicou que esses animais costumam ter brigas ferozes por disputa de território."Eles arrancam membros uns dos outros e deixam enormes feridas", disse. "E apesar de viverem num ambiente em que há muitos micróbios patogênicos, essas feridas horríveis cicatrizam rapidamente e quase sempre sem infecção."Sistema complementarComo os humanos, os jacarés e crocodilos possuem um sistema de defesa contra bactérias, vírus e fungos, que envolve um grupo de proteínas conhecido como sistema complementar.Em estudos recentes, Merchant expôs o sangue de jacarés a vírus como o HIV e o vírus do Nilo e suas defesas começaram a matá-los."O sistema complementar deles é bem mais eficaz que o nosso. Mas não há utilidade clínica porque não posso isolá-lo dos jacarés e injetar nas veias humanas."Em vez disso, os pesquisadores esperam descobrir algo no sangue dos crocodilos que possa ser imitado numa droga. Eles se concentram agora em estudar as células brancas sanguíneas do sistema imunológico dos crocodilos."Capturamos nove crocodilos selvagens de água salgada e sangramos entre 15 e 20 crocodilos em cativeiro", afirmou Merchant. "Eu isolei as células brancas do sangue e as abri para observar as proteínas."O próximo passo seria produzir proteínas similares e testar para ver se elas são capazes de matar bactérias, fungos e vírus.

Agencia Estado,

20 de agosto de 2005 | 13h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.