Cientistas chineses determinam origem genética dos tibetanos

Grupo, com genes similares aos dos povos euro-asiáticos, deve ter chegado à região do Tibete há 21 mil anos

Efe,

14 Dezembro 2009 | 11h22

Um grupo de geneticistas chineses publicou um estudo sobre a origem genética do povo tibetano, o que indica, entre outras coisas, que os habitantes modernos do Tibete chegaram há 21 mil anos, depois da morte da primeira leva de humanos que ali se estabeleceram na última grande glaciação.

 

Como informou nesta segunda-feira, 14, a agência "Xinhua", os primeiros moradores chegaram há 30 mil anos, no período paleolítico, mas não sobreviveram a era glacial que ocorreu há 23 mil.

 

Um segundo grupo, com genes similares aos dos povos euro-asiáticos, deve ter chegado à região há 21 mil anos, como detalhou a pesquisa coordenada pelo analista Zhao Mian, da Academia Chinesa de Ciências.

 

Muitos dos componentes genéticos dos tibetanos modernos indicam que boa parte deles é originária de povos que habitavam o norte da China atual, e que chegaram ao planalto há 10 mil anos.

 

O recente estudo genético confirma o que as descobertas arqueológicas já apontavam. Os primeiros vestígios humanos no Tibete são marcas de mãos e pegadas de pés, localizados próximos de Lhasa e que os historiadores acreditam que tenham mais de 21 mil anos.

 

Chamada de Teto do Mundo, o Tibete, com seus mais de 4 mil metros, é uma das regiões habitadas mais extremas para o ser humano, não só pelo frio, mas também pela falta de oxigênio.

Mais conteúdo sobre:
ChinacientistasTibeteorigem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.