Cientistas confirmam que a Terra não é o centro do Universo

Novos cálculos derrubam a hipótese de que o Sistema Solar teria uma posição privilegiada no cosmo

da Redação,

22 de dezembro de 2008 | 16h32

A localização da Terra no Universo é totalmente irrelevante, a despeito de algumas teorias recentes que sugeriam o contrário, dizem cientistas Universidade de British Columbia (UBC).   A descoberta da aceleração acelerada de estrelas distantes havia levado alguns pesquisadores a levantar a hipótese de que o Sistema Solar poderia estar no centro de uma enorme "bolha" de espaço vazio, que seria um lugar especial no Universo e explicaria a observação da aceleração das estrelas.   A maioria dos cientistas, no entanto, prefere a atribuir a expansão à chamada "energia escura", um fenômeno ainda inexplicado, a aceitar a "teoria do vazio" e abrir mão do chamado Princípio Copernicano - que deve o nome ao astrônomo polonês Nicolau Copérnico, que propôs a idéia de que a Terra gira em torno do Sol, e portanto não é o centro do Universo. Generalizado, o princípio diz que o lugar onde a humanidade está não é privilegiado em relação a outros pontos do Universo.   Em artigo publicado na revista Physical Review Letters, pesquisadores da UBC apresentam cálculos e observações que, segundo eles, eliminam a possibilidade de que o "a teoria do vazio" seja verdadeira. "Testamos os modelos de vazio contra os dados mais recentes, incluindo as características mais sutis da radiação de microondas de fundo e as ondulações da distribuição da matéria em larga escala", diz Jim Zibin, um dos autores do estudo, em nota emitida pela UBC. "Descobrimos que os modelos de vazio funcionam muito mal na hora de explicar essa combinação de dados".   Os cálculos do grupo reforçam a idéia de que a misteriosa energia escura preenche o cosmo e é responsável pela aceleração, e mantêm intocado o Princípio Copernicano.

Tudo o que sabemos sobre:
universocosmologiaenergia escura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.