Cientistas conseguem sucesso em transplante de DNA de óvulos

No futuro, a técnica poderá ser usada contra propagação de doenças que surgem de defeitos nas mitocôndrias

Associated Press,

26 Agosto 2009 | 14h34

Um procedimento experimental que um dia poderá permitir que mulheres evitem passar certas doenças hereditárias para seus filhos obteve um sucesso inicial, com o nascimento de quatro macacos saudáveis, informam cientistas.

 

Transplante de genoma é 'passo' rumo à vida sintética

Cientistas dos EUA anunciam criação de ribossomo sintético

Cientistas criam mapa genético para a vida sintética

 

A técnica ainda enfrenta questões de segurança e possíveis obstáculos éticos, mas um especialista referiu-se ao trabalho como "estimulante".

 

O experimento, que envolve a transferência de DNA entre óvulos de macacos reso, aparece descrito nesta quarta-feira, 26, no website da revista científica Nature, e foi realizado por cientistas da Universidade de Saúde e Ciência do Oregon (EUA).

 

No futuro, a técnica poderá ser usada contra doenças que surgem de defeitos nas "usinas energéticas" das células, as chamadas mitocôndrias. Essas doenças são incomuns e pouco conhecidas. Em linhas gerais, cerca de uma pessoa em cada 4.000 ou 5.000 tem uma dessas doenças, ou corre o risco de desenvolvê-la.

 

Dois macacos saudáveis, produzidos após o transplante de DNA dos óvulos que os geraram. AP 

 

Sintomas dessas doenças potencialmente fatais incluem fraqueza muscular, demência, distúrbios motores, cegueira, perda de audição e problemas do coração, fígado e rins.

 

Um óvulo contém a maior parte de seu DNA no núcleo, mas a mitocôndria também abriga uma porção de DNA. Portanto, se uma mulher tem doenças causadas por defeitos no DNA mitocondrial, a nova técnica poderá permitir que ela passe para a próxima geração apenas seu DNA saudável, do núcleo, mas não o da mitocôndria.

 

Para permitir isso, médicos poderão transplantar o DNA nuclear de óvulos da mulher doente para óvulos doadores com mitocôndrias saudáveis. Os óvulos das doadoras teriam de ter o DNA nuclear original eliminado. Depois de um a fertilização in vitro, esse óvulo poderia produzir um bebê saudável.

 

O pesquisador Shoukhrat Mitalipov disse que mais estudos sobre a segurança do procedimento serão necessários. Ele acrescenta que a técnica enfrentará obstáculos legais para o estudo em seres humanos, porque isso alteraria o DNA herdado pelas futuras gerações, uma ideia que causa controvérsias éticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.