Cientistas criam mapa genético para a vida sintética

Seqüência genética de bactéria foi montada a partir de fragmentos menores em laboratório

MAGGIE FOX, REUTERS

24 de janeiro de 2008 | 18h38

Pesquisadores montaram todo o genoma de um organismo vivo - uma bactéria - na esperança de que tenham dado um passo importante na direção de criar a vida artificial. A Mycoplasma genitalium tem o menor genoma conhecido de um organismo autêntico, com 485 genes funcionais. Os vírus são menores, mas não são considerados completamente vivos porque não têm capacidade de reprodução por conta própria. Há anos a equipe do Instituto J. Craig Venter, entidade não-lucrativa de Maryland, trabalhava para criar uma M. genitalium do nada. "Consideramos que este é o segundo passo significativo de um processo de três passos nas nossas tentativas de fazer o primeiro organismo sintético", disse Craig Venter, fundador do instituto, em entrevista coletiva por telefone. "Todo este processo começou com quatro frascos de substâncias químicas." A M. genitalium tem uma estrutura bastante simples. Todo seu DNA fica num único cromossomo (cromossomos são as estruturas que contêm o material genético, e o código inteiro se chama genoma). É necessário um outro material genético, chamado RNA, para converter este mapa genético em algo que uma célula possa usar para funcionar. Em artigo na revista Science, a equipe disse que inicialmente usou a bactéria E. coli e células de levedura para copiar partes do DNA e montá-las em um cromossomo artificial. Em seguida, relatam os pesquisadores, eles quiseram inserir este cromossomo artificial em uma célula e ver se era possível que esse cromossomo sintético "ligasse" a célula. Eles começaram construindo quimicamente os fragmentos do DNA em laboratório. O primeiro passo era produzir os quatro tipos de "tijolos" do DNA - adenina, guanina, cistosina e tiamina, ou seja, as letras A, G, C e T do código genético. No caso da M. genitalium, que provoca uma infecção sexualmente transmissível em homens e mulheres, essas quatro letras se repetem aos pares 580 mil vezes. Não é possível construir uma sequência tão longa de DNA, porque ele é muito quebradiço, então a sequência foi dividida em partes chamadas "cassetes". Parte do trabalho foi encomendada a outro laboratório, especializado em construir fragmentos circulares de DNA, chamado plasmídeos. Venter disse que o cromossomo fora desativado para que não conseguisse sobreviver fora do laboratório, de modo que não pudesse acidentalmente ocupar outro organismo. O projeto também foi submetido a uma comissão de ética da Universidade da Pensilvânia. A esperança de Venter é, no futuro, construir microorganismos sintéticos que possam ser usados para produzir biocombustíveis, limpar lixo tóxico e absorver o excesso de dióxido de carbono da atmosfera.

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIABACTERIASINTETICA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.