Cientistas criam novo método para medir emissões de carbono

Método usa os dados disponíveis para compreender a variação de CO2 encontrado há 50 anos e os níveis atuais

Efe,

16 de fevereiro de 2009 | 14h49

Os métodos para medir as emissões de dióxido de carbono e a forma como o solo e as plantas se comportam com os gases que causam o aquecimento global podem ser melhoradas a partir de uma pesquisa apresentada nesta segunda-feira, 16, pela Universidade de Michigan. Veja também: Níveis de CO2 atingem novos picos de altaEspecial: Evolução das emissões de carbono    "Queremos saber como evoluirão as fontes e os sumidouros de carbono, e da única forma que poderemos conduzir a mudança climática é com informação científica", disse Anna Michalak na reunião anual, em Chicago, da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS, em inglês). Os dados globais sobre os gases que causam o aquecimento global correspondem às amostras em lugares dispersos pelo planeta e torres baixas que medem a absorção ou liberação de carbono de uma pequena área de floresta. Mas essas medições não coincidem com os modelos atuais por computador da forma como se comportam as plantas e os solos. "Se vamos nos adaptar à mudança climática, precisamos da capacidade para prever qual será essa mudança", disse Michalak, professora no Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, no Departamento de Ciências Atmosféricas, Oceânicas e Espaciais da Universidade de Michigan. A pesquisadora informou que "uma das grandes questões para nós é como evoluem as fontes e os sumidouros de carbono". "Tudo isto aponta à previsão e à administração", acrescentou. Michalak desenvolveu um método que usa os dados disponíveis para compreender a variação do carbono encontrado na Terra há 50 anos e os níveis atuais denominado "modelo geo-estatístico inverso". Este método divide o planeta em regiões pequenas e examina quanto dióxido de carbono deve ter sido emitido em cada região para chegar às concentrações que se medem nos pontos nas quais foram tomadas as amostras atmosféricas. Isto permite que Michalak e seus colaboradores usem a informação que procede de outros satélites que observam a superfície da Terra e complementam a informação da rede de vigilância atmosférica.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento globalcarbono

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.