Cientistas criam produto que recupera esmalte dos dentes

Solução seria útil em casos menos graves, se juntando ao cálcio natural dos dentes.

Da BBC Brasil, BBC

21 de julho de 2008 | 18h57

Cientistas britânicos estão desenvolvendo uma solução bucal que seria capaz de ativar a formação de um novo esmalte dentário e, assim, reduzir a necessidade do uso de brocas e de obturações em tratamentos odontológicos. Segundo os pesquisadores da Universidade de Leeds, a solução, aplicada diretamente nos dentes, contém com uma proteína que se juntaria ao cálcio natural para reconstituir o esmalte. Jennifer Kirkham, que lidera a equipe, explica que os dentes se degeneram pela ação de ácidos produzidos por bactérias presentes na boca, que provocam o surgimento de cáries. Quando as cáries são grandes, os dentistas geralmente as cobrem retirando a área danificada e colocando em seu lugar uma obturação. A nova solução bucal poderia ser usada em casos iniciais, quando os buracos ainda são microscópicos, e não eliminaria a necessidade do uso da broca e de obturações em casos de cáries mais graves. Dentes sensíveisA solução seria aplicada diretamente no dente, cobrindo os buracos. Uma vez dentro das cavidades nos dentes, o fluido se transformaria em um gel que se juntaria ao cálcio natural do dente, reconstituindo o esmalte. Essa seria uma saída para as pessoas que sentem dor nos dentes ao tomar bebidas ou comer alimentos frios ou quentes demais - o que pode ser um sinal da presença dessas cavidades microscópicas - e evitaria o avanço das cáries para formas mais graves."(O processo) provoca um reparo natural nos dentes, sem a dor ou o desconforto geralmente associado à perfuração da broca", afirmou Kirkham.A equipe acredita que a solução poderá entrar em fase de testes no próximo ano e que a licença para o uso deve sair em cinco anos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.