Stanford University
Stanford University

Cientistas descobrem processo para melhorar resposta imunológica ao câncer

Pesquisa identificou a existência de uma 'rota biológica' que faz com que as células do sistema não ataquem as cancerosas

O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2017 | 17h46

PALO ALTO - Cientistas dos Estados Unidos identificaram um novo processo biológico capaz de melhorar a resistência do sistema imunológico ao câncer, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira, 27, pela revista científica britânica Nature. A pesquisa, desenvolvida pela Escola de Medicina da Universidade de Stanford (Califórnia), revelou a existência de uma "rota biológica" que faz com que as células do sistema imunológico não ataquem as cancerosas.

+++ ‘Pílula do câncer’ falha em mais um teste, o sétimo

Para ilustrar essa qualidade, os especialistas falam de um sinal que as células cancerosas enviam às imunológicas para dizer "Não me destrua", o que permite a propagação da doença.

+++ Uso prolongado de remédios como Omeprazol pode dobrar risco de câncer de estômago, diz estudo

Os cientistas de Stanford constataram que, ao combinarem o anticorpo CD47 com outro similar, é possível bloquear o funcionamento dessa "rota biológica" e fortalecer a capacidade do sistema imunológico para erradicar muitos tipos de câncer.

+++ Cirurgia precoce de câncer de próstata pode não salvar vidas, diz estudo

As experiências com modelos animais tiveram resultados promissores, e sua eficácia para o tratamento contra a doença está agora sendo comprovada em testes clínicos, de acordo com os especialistas.

"O desenvolvimento das células cancerosas provoca a criação de moléculas reconhecidas pelos macrófagos, células que tem como função purificar o organismo", explicou Irving Weissman, um dos autores do estudo.

No entanto, Weissman detalhou que os cânceres mais agressivos enviam o citado sinal de "Não me destrua" através do CD47.

"Agora, identificamos um segundo sinal de 'Não me destrua' e o seu receptor complementar nos macrófagos. Também descobrimos que podemos anular este sinal com anticorpos específicos e restaurar a capacidade dos macrófagos para matar células cancerosas", indicou Weissman.

 

O bloqueio simultâneo desses dois processos biológicos em ratos permitiu infiltrar um tumor com uma grande variedade de células imunológicas, o que, por sua vez, gerou uma divisão do mesmo em tumores menores.

"Estamos entusiasmados com a possibilidade de desenvolver em humanos um tratamento duplo, até triplo, que combine múltiplos bloqueios para o crescimento do câncer", disse Amira Barkal, coautora da pesquisa. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.