Cientistas dos EUA criam 'remédio contra radiação'

Medicamento poderia proteger durante radioterapia e contra desastre nuclear.

Da BBC Brasil, BBC

11 de abril de 2008 | 06h05

Um remédio que pode proteger contra os efeitos da radiação foi desenvolvido por cientistas americanos.O resultado do estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Lerner, em Cleveland, nos Estados Unidos, foi publicado na última edição da revista científica Science.Por enquanto, o remédio só foi testado em animais e deverá ainda passar por testes clínicos.Intitulado CBLB502, o medicamento inicia um mecanismo biológico que faz com que células saudáveis sobrevivam a golpes de radiação.O CBLB502 pode fazer com que o tratamento com radioterapia destinado a pacientes com câncer se torne mais seguro e também poderia ser usado no evento de uma "bomba suja" - feita com material radioativo - ou de um desastre nuclear como o de Chernobyl.'Suicídio'A radiação destrói células porque causa danos que levam as células a cometer "suicídio". Mas, nesse processo, células saudáveis também podem morrer. O novo remédio inibe a proteína que inicia o "suicídio" das células.Testes realizados em ratos e macacos sugeriram que o CBLB502 protege as células saudáveis da medula óssea e do aparelho digestivo contra a radiação, mas não parecem proteger células cancerosas, que continuam vulneráveis à radioterapia.No teste com animais também não houve sinais de efeitos colaterais. O pesquisador Andrei Gudkov, do Instituto Lerner, disse que o grupo obteve o avanço ao observar como algumas células cancerosas conseguiam escapar do "suicídio". O remédio foi desenvolvido na tentativa de fazer com que células saudáveis imitassem esse comportamento, mas de forma temporária e reversível."Com isso, o CBLB502 reduz a o efeito tóxico da radioterapia sem diminuir os efeitos terapêuticos", afirmou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
radiação cientistas remédios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.