Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Cientistas estudam canabinóide contra Alzheimer

Cientistas espanhóis provaram que um canabinóide, similar ao componente ativo da maconha, pode prevenir a perda de memória. Em experiências feitas em ratos, a substância reduziu a inflação cerebral associada à doença de Alzheimer.A eficácia do canabinóide foi comprovada quando os ratos que receberam a substância e a proteína amilóide, que desencadeia o mal, puderam lembrar um caminho ensinado pelos cientistas dois meses antes. Segundo a agência Efe, os animais submetidos apenas à proteína amilóide não puderam lembrar o caminho.Também foi constatado que o segundo grupo de ratos apresentava uma grande inflamação cerebral, inexistente naqueles tratados com o canabinóide.Outra descoberta feita durante o estudo foi a característica dos receptores de canabinóide CB1 e CB2.Ao comparar o tecido cerebral de pessoas que morreram de Alzheimer com o de pessoas sadias que morreram em idades parecidas, observou-se que os receptores de canabinóide estavam associados na doença a marcadores de ativação da micróglia, célula imune do cérebro.O CB1 foi encontrado em todos os tipos de células do cérebro e os cientistas perceberam que sua ativação provoca os efeitos mentais do canabinóide. Já o CB2 só está presente na micróglia.As células da micróglia são ativadas depois que a célula amilóide se acumula em depósitos denominados placas. Elas, por sua vez, geram uma inflamação que resulta na morte de neurônios, e na conseqüente perda de memória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.