Cientistas explicam fracasso de vacinas contra Aids

Cientistas americanos disseram que as vacinas de combate à Aids têm fracassado porque induzem à criação de um tipo de anticorpo que é destruído pelo sistema imunológico do paciente. Segundo artigo publicado nesta quinta-feira na revista Science pelos investigadores da Universidade de Duke, a descoberta poderia abrir uma nova porta para se desenvolver vacinas contra o HIV.O grupo de cientistas descobriu que certos anticorpos que reconhecem e se fixam à proteína gp41 do HIV são similares aos anticorpos criados nas enfermidades auto-imunes, transtornos em que o corpo fabrica anticorpos. Na maioria das pessoas, o sistema imunológico destrói esse tipo de anticorpo para prevenir a possibilidade de sofrer seus efeitos.O estudo acrescenta que as vacinas contra o HIV têm fracassado, em parte, porque estas proteínas da camada externa do vírus desencadeiam reações efêmeras no lugar de anticorpos específicos e de grande duração. Os resultados sugerem que, durante a etapa inicial da infecção, o HIV escapa de sua destruição por conta destas proteínas. "O problema é que quando injetamos a camada externa do vírus nas pessoas, não criamos anticorpos neutralizadores, ou seja, aqueles que matam a maioria das cepas do HIV", disse Borton Haynes, um dos autores do estudo.De acordo com Haynes, diretor do Instituto para Vacinas Humanas da Universidade de Duke, "essa é uma explicação plausível para não se terem criado anticorpos de ampla proteção como resultado das vacinas que se estão produzindo".

Agencia Estado,

28 de abril de 2005 | 16h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.